Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Fux oficializa à CPI limites do silêncio garantido à diretora da Precisa

Emanuela Medrades não respondeu a nenhuma das perguntas feitas hoje pelos senadores, durante sessão do colegiado, que foi suspensa
Fux oficializa à CPI limites do silêncio garantido à diretora da Precisa
Foto: Fellipe Sampaio /SCO/STF

Luiz Fux respondeu há pouco ofício enviado hoje pela CPI da Covid questionando os limites do silêncio garantido ontem pelo presidente do STF a Emanuela Medrades, diretora da Precisa Medicamentos.

Fux afirmou que cabe a Medrades decidir se a resposta a uma pergunta pode incriminá-la e que a CPI é que deve analisar se a testemunha ou o investigado abusa de algum direito fundamental  para adotar providências.

O presidente do STF disse ainda que a corte não deve “se imiscuir no conteúdo do depoimento da Paciente, muito menos supervisionar previamente o exercício das atribuições jurisdicionais exclusivas da Comissão Parlamentar de Inquérito”.

E complementou: “Outrossim, compete à CPI fazer cumprir os regramentos legais e regimentais, estabelecendo, para tanto, as balizas necessárias para que investigados, vítimas e testemunhas possam exercer, nos limites próprios, seus direitos fundamentais, inclusive o direito da não autoincriminação.”

Conversa informal

O presidente do STF já havia dito informalmente que a CPI pode “fazer valer sua autoridade”. Sendo assim, Omar Aziz (PSD-AM), presidente do colegiado, pode mandar prender Medrades se entender que a diretora da Precisa Medicamentos cometeu falso testemunho.

O ministro também havia dito informalmente aos senadores que Medrades não pode ser obrigada a falar de fatos que a incriminem, mas que ela deve responder sobre tudo aquilo “que não for sobre ela”.

Agora, o Fux colocou seus argumentos no papel, o que oficializa os limites questionados pelos senadores da CPI.

Direto de ficar calada

A decisão que garantiu a Medrades o direito de ficar em silêncio foi tomada ontem por Fux. O ministro também garantiu que diretora da Precisa não fosse obrigada a falar a verdade ou a produzir prova contra si.

Porém, o presidente do STF foi claro ao obrigá-la a comparecer à sessão de hoje, como de fato ocorreu.

Disse Fux: “Concedo, em parte, a liminar pretendida, a fim de que, no seu depoimento perante a CPI da Pandemia, e exclusivamente em relação aos fatos que o incriminem, a paciente tenha o direito de: i) permanecer em silêncio sobre o conteúdo das perguntas formuladas; ii) não ser obrigada a assinar termo de compromisso de dizer a verdade, uma vez que os fatos indicam que será ouvida na condição de investigada; iii) de ser assistida por advogado e iv) de se comunicar, livremente e em particular, com este, garantindo-se o direito contra a autoincriminação (art. 5º, inciso LXIII, da CRFB), excluída possibilidade de ser submetida a qualquer medida privativa de liberdade ou restritiva de direitos em razão do exercício dessas prerrogativas constitucionais.”

Mas, durante a sessão de hoje, Medrades não respondeu a nenhuma das perguntas feitas, inclusive as mais simples, como o cargo que ocupa na Precisa Medicamentos.

Por conta disso, Omar Aziz questionou Fux se as atitudes de Medrades podem ser enquadradas nos crimes de falso testemunho ou de desobediência.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO
×
Oferecimento....