ACESSE

Gabbardo e a semana "mais ameaçadora"

Telegram

O coordenador-executivo do Centro de Contingência da Covid-19 em São Paulo, João Gabbardo, disse hoje que o estado está passando neste momento pela 27ª semana epidemiológica — que, historicamente, é a mais crítica das epidemias no país.

“É, historicamente, a semana em que é maior o número de casos por internação devido a doenças respiratórias agudas. É a semana em que existe uma pressão maior sobre o sistema de saúde em função das doenças respiratórias”, explicou Gabbardo.

“A gente terá ultrapassado a semana mais ameaçadora do sistema de saúde. Se não acontecer uma coisa inesperada, a expectativa é a de que nas próximas semanas tenhamos uma redução no número de novos casos. Obviamente, o número cumulativo sempre vai aumentar. Quando a gente fala em redução, é no número de novos casos”, afirmou.

“Em relação aos óbitos, todas as nossas análises apontam para uma estabilidade e uma redução do número de novos casos“, concluiu Gabbardo.

Paulo Menezes, coordenador estadual do Centro de Contingência, também falou que há a expectativa de “redução do número de casos e óbitos em todo o estado”. “Em relação ao interior, temos ainda regiões com aumento no número de casos e uma pressão por internações, mas elas estão com quarentena no nível vermelho”, disse.

“Os resultados do isolamento social só são observados de uma a duas semanas. Nossa expectativa é que também nessas regiões a gente consiga ser bem sucedido no controle da epidemia no estado.”

Leia mais: A guinada de Bolsonaro para ficar no poder

Comentários

  • Maria -

    AQUI EM RIBEIRÃO PRETO, A TARJA É VERMELHA, MAS NINGUÉM MAIS QUER SABER DE QUARENTENA. PARECE QUE ESTAMOS NO BRANCO, NO AZUL, MAS JAMAIS EM LARANJA OU VERMELHO. UTILIZAÇÃO DE 105% NOS LEITOS.

  • Rogerio-SJC -

    São José dos Campos-SP , o movimento nas ruas está normal, nem parece que tem pandemia. Tudo lotado, trânsito e tudo mais

  • Incréu -

    Para se ter uma opinião confiável sobre a pandemia, precisamos recorrer a alguém fora do Ministério da Saúde. Do ministério, nada de bom virá.

Ler 4 comentários