Ganha quem falar primeiro

Como publicamos dias atrás, Jorge Picciani avalia fazer um acordo de delação. Mas não está sozinho.

O empresário Jacob Barata Filho e o ex-dirigente da Fetranspor Lélis Teixeira também estão dispostos a negociar uma colaboração premiada.

Para integrantes do MPF no Rio, não há salvação para todos.

Renan Calheiros: você tem 1 semana para conhecer o estratégia dele para retomar o poder em Brasília. Saiba mais

Temas relacionados:

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Ler mais 7 comentários
  1. Quero ver onde vai parar essa palhaçada de deleção, um vai delator o outro, ou todos vão sair livres ou todos vão ser presos, está parecendo que todos vão acabar soltos e tudo terminando em pizza. Se as empresas são as mesmas, os bandidos são os mesmos, pra quer delatar? Brasil sendo saqueado e os brasileiro enganados e eu não quero que a Lava Jato acabe…Tem vantagens que delata primeiro ou quem delata por ultimo?

  2. Definitivamente o crime compensa. Mais um figurão vai sair limpo . No Brasil a delação funciona no sentido contrário. Os figurões saem livres e os subalternos vão em cana.

  3. E PARA GILMAR MENDES, HÁ SR. BARATA E MPF DO RIO ?
    NO CASO DA DELAÇAO DOS CRIMINAIS IRMAOS BATISTA HOU OU NAO UMA ‘AÇÃO CONTROLADA’ PARA SE EVITAR O NOME DE GILMAR MENDES CARO MPF ?