A conta do Orçamento extrateto não para de subir

A conta do Orçamento extrateto não para de subir
Foto: EDU ANDRADE/Ascom/ME

A conta do orçamento extrateto não para de subir. Integrantes do Congresso calculam que os gastos do governo federal que estarão fora do Orçamento 2021 podem chegar a R$ 132,5 bilhões. Na conta, estão gastos do Ministério da Saúde e custeio de programas como o Auxílio Emergencial e o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego (BEm).

Ontem, o Congresso Nacional aprovou um projeto de lei que exclui do Orçamento de 2021 o custeio de ações ou programas relacionados à pandemia do novo coronavírus. Assim, o pagamento de programas como o Pronamp (Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural) e o BEm estão fora do teto de gastos. O Pronamp deve custar R$ 16 bilhões; o BEm, outros R$ 9,8 bi.

Além disso, aproximadamente R$ 22,3 bilhões destinados para a compra de vacinas e outros R$ 2,5 bilhões como aporte para o setor turístico também foram excluídos do Orçamento. O reforço de caixa no setor turístico vai ocorrer, principalmente, por meio de concessão de crédito aos pequenos e médios empresários.

 

Leia a lista dos gastos que vão ficar fora do Orçamento 2021

Novos custeios em 2021
Auxílio emergencial: R$ 44 bilhões
Pronamp: R$ 16 bilhões
Programa de Benefício às Empresas (BEm): R$ 9,8 bilhões
Novos gastos com a Saúde: R$ 20 bilhões
Créditos extraordinários da Saúde: R$ 10,9 bilhões
Programa de incentivo ao turismo: R$ 2,5 bilhões

Resquícios de gastos de 2020 para serem honrados em 2021
Aquisição de vacinas: R$ 22,3 bilhões
Recursos remanescentes do Bem: R$ 4,5 bilhões
Remanescente do auxílio emergencial: R$ 2,3 bilhões

Leia mais: Assine a Crusoé, a publicação que fiscaliza TODOS os poderes da República.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO