Geddel chorou

Geddel chorou ao ouvir do juiz Vallisney Oliveira que continuaria preso.

Mas quando metia a mão era só alegria.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;

Ler 10 comentários
  1. Ele chorou e pediu prisão domiciliar, que virou moda agora. A prisão domiciliar é quase como a maioria dos brasileiros vivem, senão melhor, regada com luxos bancados pelo dinheiro da corrupção. Segue um link que é uma ironia mas, representa muito bem o papel de bobos, que nós brasileiros fazemos: https://youtu.be/8jXDVsz1MnU

  2. A Controladoria Geral da União (CGU) concluiu o Relatório de Auditoria nº 315/2017 referente a Tomada de Contas Especial tendo como instrumento original o Termo de Compromisso nº 42/2009 que trata do envio de recursos para o município de Assú via Ministério da Integração Nacional. Segundo relatório o responsável pela administração dos recursos é o então prefeito Ivan Lopes Júnior atual Secretário de Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte em nome do qual consta o débito atualizado no valor de 11 milhões 208 mil 491 reais e 60 centavos.

  3. Era apoio dos dovernos Lula e Dilma. Agora chora como vários a estão presos ou foram presos. Tem mais gente que irá prestar contas a justiça e o Brasil vai mudar pra melhor, sem Lula e caterva.

  4. Daquele espigão ridículo que afeta o patrimônio histórico de Salvador, para uma cela. Merece ficar aí. E ainda ter de pagar diária para tomar banho e se alimentar no presídio. Não merece que nossos impostos sejam usados para pagar a estadia na Papuda. Eca!

  5. O pai do Geddel (acho que esse nome foi uma falha da datilógrafa do cartório) deveria, na infância, ter dito a ele: “Tá chorando porquê?. Seja macho, rapaz!. Engula o choro!.” Pelo menos agora não estaria envergonhando o pai pela segunda vez.

  6. Muitas famílias choraram ao perder parentes vítimas de violência. Muitas famílias choraram ao perder parentes vítimas de falta de atendimento médico. O Brasil não tem dó do seu choro, anão do orçamento!