Gilmar, o insuspeito

Ao soltar Orlando Diniz, Gilmar Mendes manteve a conduta recente de não se declarar suspeito para atuar em casos que possam sugerir algum conflito de interesses.

Como a Crusoé mostrou, a Fecomércio patrocinou evento do IDP em Lisboa. O valor de R$ 50 mil aparece também em relatório sigiloso da Receita, obtido por O Antagonista, no âmbito da Operação Jabuti.

O curioso dessa história é que o ministro já se declarou suspeito em processo de interesse da Fecomércio, mas isso foi antes de Diniz ser colhido pela Lava Jato.

Na ocasião, o conflito era duplo: o advogado da Fecomércio na ação era Sérgio Bermudes, que tem como sócia no escritório a mulher do próprio Gilmar.

Comentários

  • moacyr -

    Nós somos levados a concluir que REALMENTE não existe conflito de interesse...os interesses não parecem ser conflitantes, mas sim covergentes...

  • Mauro -

    Não é possível que ninguém irá fazer nada para acabar de vez com os desmandos deste Ministro do STF! A cada corrupto e corruptores solto por este ministro temos a certeza absoluta que os Poderes constituídos estão todos dominados pela corrupção e roubalheira generalizada! Ele solta seus compadres sem se importar com a repercussão do caso pois sabe que está na verdade todo mundo com o rabo preso nesta rede de corrupção e roubalheira que tomou conta do Brasil! Mas ainda tenho esperança que alguém irá mudar este triste quadro no Brasil e mostrar que lugar de corruptos e corruptores é na cadeia e o crime não compensa! Se nada for feito para acabar com os desmandos deste Ministro, só vejo a Intervenção Militar como solução para um Brasil melhor para os nossos filhos e netos!

  • Theobaldo -

    Como um comentarista disse abaixo. Talvez já tenham achado o podre dele, só estão dando a corda. Sua hora vai chegar Gigi, eu vou dar muita risada da sua cara ainda.

Ler 92 comentários