Gilmar solta empresários presos pela Lava Jato em operação sobre esquema de desvios na saúde do Rio

Na noite de ontem, Gilmar Mendes concedeu habeas corpus aos empresários Miguel Iskin e Gustavo Estellita.

Ambos — sócios da multinacional Oscar Iskin — estavam presos preventivamente desde julho do ano passado.

Eles são investigados no âmbito da Operação Ressonância, um desdobramento da Lava Jato no Rio que investiga crimes de corrupção e lavagem de capitais envolvendo contratos na área da saúde, celebrados pelo Estado do Rio e pelo Instituto de Traumato Ortopedia (Into).

De acordo com a PGR, “o esquema criminoso envolveu a participação de dezenas de empresas que, por meio de cartel, fraudaram, por décadas, procedimentos licitatórios, lesando a concorrência e superfaturando preços de insumos médicos”.

A defesa dos dois, claro, festejou a decisão de Gilmar. “O Supremo reconheceu o constrangimento ilegal pelo excesso de prazo, eis que após um ano da deflagração da operação, sequer iniciou-se a instrução criminal”, disse o advogado Marcelo Sedlmayer.

 

 

 

Comentários

  • MARCO -

    O que se pode esperar de Gilmar Mendes a não ser andar de braços dados com larápios, bandidos, ladrões do dinheiro publico e afins??? E olha que é um cara de uma honestidade irreparável!!!

  • ubirata@vendatec.com -

    Gilmar Mendes é o vendedor de liberdade. A Justiça brasileira deveria não ser mais obrigada a atender suas ações de soltar bandidos. Ele é considerado um criminoso para a população brasileira.

  • Kika -

    Está cada vez mais indigesto ouvir este maldito nome é esta cara monstruosa! Todos comentários que tenho lido deste fdp é de asco, até quando está bactéria vai ficar nesta cadeira? #foragilmar

Ler 245 comentários