ACESSE

Gilmar solta empresários presos pela Lava Jato em operação sobre esquema de desvios na saúde do Rio

Telegram

Na noite de ontem, Gilmar Mendes concedeu habeas corpus aos empresários Miguel Iskin e Gustavo Estellita.

Ambos — sócios da multinacional Oscar Iskin — estavam presos preventivamente desde julho do ano passado.

Eles são investigados no âmbito da Operação Ressonância, um desdobramento da Lava Jato no Rio que investiga crimes de corrupção e lavagem de capitais envolvendo contratos na área da saúde, celebrados pelo Estado do Rio e pelo Instituto de Traumato Ortopedia (Into).

De acordo com a PGR, “o esquema criminoso envolveu a participação de dezenas de empresas que, por meio de cartel, fraudaram, por décadas, procedimentos licitatórios, lesando a concorrência e superfaturando preços de insumos médicos”.

A defesa dos dois, claro, festejou a decisão de Gilmar. “O Supremo reconheceu o constrangimento ilegal pelo excesso de prazo, eis que após um ano da deflagração da operação, sequer iniciou-se a instrução criminal”, disse o advogado Marcelo Sedlmayer.

 

 

 

Especial: os desdobramentos e as motivações do roubo e vazamento das mensagens atribuídas a Moro e aos procuradores da Lava Jato. LEIA AQUI

Comentários

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 236 comentários