ACESSE

A girafa de Gaspari

Telegram

Elio Gaspari recomenda que Jair Bolsonaro ceda ao achaque do Congresso Nacional.

Ele diz:

“No dia 2 de janeiro, Jair Bolsonaro deverá abrir a quitanda e em fevereiro instala-se a nova legislatura. Só então começará o jogo, com a remessa ao Congresso das diversas emendas constitucionais prometidas pelo candidato. Elas precisam de três quintos dos votos da Câmara e do Senado.

Cada parlamentar tem sua legítima agenda de defesa dos interesses de sua base eleitoral. O toma lá dá cá faz parte da vida política, desde que se esclareça o que se toma e o que se dá. Por exemplo: um deputado de uma bancada temática vai ao governo com um pedido para que se autorize o funcionamento de uma faculdade de medicina na sua região.

O pleito pode ser justo e o projeto, impecável. Pode também ser uma girafa (…).

Não existe governo que possa conviver com o Congresso sem que haja um sistema de trocas com os parlamentares.”

Se um deputado precisa chantagear o governo em troca de seu voto, é claro que se trata de uma girafa.

 

Os generais acompanham as primeiras ações do futuro governo — e não aprovam tudo... LEIA AQUI

Comentários

  • Marta -

    Ora Gaspari o que Bolsonaro é contra, e nós também é o toma lá da cá da corrupção, dos interesseiros. Um pedido para atender uma objetivo justo faz parte de um governo honesto e justo.

  • Gosaurus -

    Li poucas vezes os textos deste colunista. Sempre percebi, porém, um claro viés pró-PT. Ou esquerdista. Pode ser impressão minha, mas depois de um tempo eu já havia parado de ler. Não me interes

  • Ricardo -

    Não Elio Gaspari mesmo que o pleito não seja uma girafa é chantagem e safadeza condicionar o seu voto a um projeto essencial para o país para apoiar uma não girafa. Gaspari você é desonesto.

Ler 92 comentários