Gleisi pede vista e Boca Aberta ganha tempo em processo sobre invasão de hospital

Gleisi pede vista e Boca Aberta ganha tempo em processo sobre invasão de hospital
Reprodução/Marcelo Alves/YouTube

Gleisi Hoffmann (PT-PR) pediu vista nesta quarta (17) sobre um parecer, dando mais tempo ao conterrâneo Boca Aberta (Pros-PR), ameaçado de ter o mandato suspenso por seis meses.

Em março de 2019, Boca Aberta entrou no Hospital São Camilo, em Jataizinho (PR), e gravou um médico dormindo, de madrugada, na sala de descanso dos funcionários.

O PP apresentou duas representações contra Boca Aberta, uma delas alegando que o deputado “adotou procedimento incompatível ao decoro ao adentrar ambiente hospitalar sem autorização, expondo pessoas em rede social”.

Em dezembro de 2019, o Conselho de Ética aprovou, por 10 votos a 1, suspensão do mandato de Boca Aberta por seis meses. A punição foi decidida pelo relator da representação, Alexandre Leite (DEM-SP). Mas o deputado recorreu à CCJ.

Tanto a CCJ quanto o Conselho de Ética ficaram parados durante quase todo o ano de 2020.

Na CCJ, a relatoria do recurso de Boca Aberta coube a João Campos (Republicanos-GO). Hoje, Campos votou para que o processo volte ao Conselho de Ética, sendo ouvidas novas testemunhas.

Com o pedido de Gleisi, nem isso foi decidido hoje. A decisão ficou para semana que vem.

Alexandre Leite disse hoje na CCJ que Boca Aberta“cometeu mais crimes durante o curso do processo no Conselho de Ética do que na própria representação em si. Incorreu em litigância clara de má-fé no Supremo Tribunal Federal, falsificou prova, falsificou um acórdão do Tribunal de Justiça e juntou no processo do Conselho de Ética, citando só dois exemplos”.

Em janeiro deste ano, Boca Aberta chegou a ser preso por perturbação do sossego.

Leia tambémConselho de Ética aprova processo contra Coronel Tadeu por quebrar placa sobre racismo

Leia mais: Assine a Crusoé, a publicação que fiscaliza TODOS os poderes da República.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO