Governo do Piauí tinha contratos de R$ 96,5 milhões com empresas investigadas

Como noticiamos mais cedo, a terceira fase da Operação Topique, da Polícia Federal, tem como alvo o governador do Piauí, Wellington Dias, e sua esposa, a deputada federal Rejane Dias. A investigação mira desvios na Secretaria de Educação praticadas por empresas que, mesmo após duas fases da ação, ainda mantêm R$ 96,5 milhões em contratos com o estado, informa Fabio Serapião na Crusoé.

Segundo a PF, são investigados os crimes de organização criminosa, corrupção ativa, corrupção passiva, lavagem de dinheiro e crimes de licitação.

Os desvios eram praticados, diz a PF, por meio de pagamentos superfaturados nos contratos de transporte escolar obtidos por empresas que se organizaram em um consórcio. Segundo a PF, o arranjo entre as empresas era “criminoso, estável e estruturado, simulava concorrência em licitações e, com participação de servidores públicos, se beneficiava de contratos fraudulentos”.

A PF também apura se o mesmo grupo de empresas atua em outras fraudes em contratos com municípios do Piauí assinados desde 2008. Há indícios, diz a PF, de que o modelo criminoso também se replicou em outras secretarias do governo estadual.

Leia mais aqui.

Leia mais: O DNA da corrupção
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 11 comentários
TOPO