Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Governo ignorou Itamaraty e negociou Covaxin três vezes mais rápido que Pfizer

Apesar de alertas do Ministério das Relações Exteriores, a vacina indiana foi comprada em apenas 97 dias
Governo ignorou Itamaraty e negociou Covaxin três vezes mais rápido que Pfizer
Foto: Alan Santos/PR

O governo de Jair Bolsonaro foi alertado diversas vezes pelo Itamaraty sobre incertezas em relação à eficácia e à segurança da vacina indiana Covaxin, segundo documentos da do Ministério da Saúde enviados à CPI e obtidos por O Globo.

Apesar disso, o processo de aquisição do imunizante foi o mais rápido de todos.

Enquanto o período entre a negociação e a assinatura do contrato para aquisição da Covaxin levou 97 dias, o processo para compra do imunizante da Pfizer demorou 330 dias. Essa foi a única negociação que levou menos de 100 dias.

A Pfizer começou as tratativas com o Brasil em 22 de abril de 2020, mas só firmou contrato em 18 de março de 2021. A Covaxin começou a ser negociada depois, no dia 20 de novembro de 2020, mas o acordo foi fechado antes, no dia 25 de fevereiro de 2021.

Os problemas foram informados ao Itamaraty no mesmo período em que o presidente Jair Bolsonaro citava a vacina como uma das escolhidas pelo governo brasileiro.

No dia 15 de janeiro, a embaixada brasileira em Nova Déli, na Índia, relatou questionamentos sobre o preço da Covaxin.

“Especialistas em saúde pública têm criticado o alto preço que o governo informou teria pagado por cada dose da vacina (USD 2,70 para Covishield, USD 4,10 para Covaxin), superior ao que os governos europeus estariam desembolsando pela vacina Oxford/Astrazeneca, sobretudo considerando-se os menores custos de fabricação na Índia.”

O telegrama ainda afirma que governos estaduais indianos questionaram a aplicação da Covaxin, dando prioridade à vacina da AstraZeneca.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO