Governo investiga professores universitários por críticas a Bolsonaro

Governo investiga professores universitários por críticas a Bolsonaro
Foto: Iano Andrade/Portal Brasil

O governo Bolsonaro abriu processos de investigação contra dois professores universitários que criticaram o presidente em eventos transmitidos pela internet.

As apurações foram abertar pela CGU porque os docentes teriam proferido “manifestação desrespeitosa e de desapreço direcionada ao Presidente da República”.

Os dois professores da Univerisdade Federal de Pelotas tiveram que assinar termos de ajustamento de conduta para colocar um fim às investigações.

Um dos alvos é o ex-reitor da Ufpel Pedro Hallal, que tem sido um crítico da atuação de Bolsonaro na pandemia de Covid-19.

O outro alvo foi o professor Eraldo dos Santos Pinheiro, pró-reitor de Extensão e Cultura da Ufpel.

Eles haviam sido instados a prestar esclarecimentos no mês passado e os termos foram publicado no Diário Oficial desta terça-feira, 2.

Os professores se comprometeram a não repetir os atos pelos próximos dois anos.

As investigações foram abertas depois de uma denúncia do deputado bolsonarista Bibo Nunes (PSL-RS).

Leia mais: Guedes e seu ideário foram inteiramente soterrados pelos planos de sobrevivência política do presidente da República e da sua própria reeleição
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO