Grupo que proporá outras mudanças trabalhistas conta com oito magistrados

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, fez valer a sua autoridade e permitiu, a pedido de Rogério Marinho, a participação de oito magistrados no Grupo de Altos Estudos do Trabalho, constituído pelo governo para propor mais mudanças na leis trabalhistas — e, assim, continuar a reforma modernizadora iniciada na gestão de Michel Temer.

Uma das mudanças deve ser o fim da unicidade sindical, que ajuda a conferir poder desmedido a centrais sindicais dominadas por partidos políticos.

A equipe que tratará especificamente do Direito do Trabalho será coordenada pelo ministro Ives Gandra Filho, do TST, secundado pela juíza Ana Luiza Fischer, da Justiça do Trabalho de Minas Gerais. Seus integrantes evitarão que haja brechas constitucionais nas mudanças.

O grupo será instalado nesta sexta-feira, em São Paulo.

Os sindicalistas de toga estão irritados, como não poderia deixar de ser, e os mais afoitos até querem peitar Dias Toffoli no CNJ.

 

Comentários

  • Luiz -

    Tire todos os direitos, e façam as empresas a subir o piso salarial em 40%. E começamos daki pra frente

  • TICO -

    A maior reforma é a extinção da justiça do trabalho. CABIDÃO DE CUSTOS MUITO ELEVADOS

  • Maraci -

    Onde já se viu 8 magistrados fazerem parte de GT de governo?? Cadê a separação de poderes, cadê a isenção pra depois interpretar as leis? São magistrados conservadores que não gostam de trabalhador.

Ler 29 comentários