Guedes: avisamos ao presidente que interferir na Petrobras teria custo econômico pesado

Guedes: avisamos ao presidente que interferir na Petrobras teria custo econômico pesado
Foto: Isac Nóbrega/PR

Paulo Guedes afirmou nesta terça-feira (16) que a interferência de Jair Bolsonaro na Petrobras gerou um “custo econômico pesado” e que o problema criado com a estatal ainda “é uma questão em aberto”.

Em fevereiro, após reclamar dos reajustes de preços dos combustíveis, Bolsonaro pediu a saída do presidente da estatal —Roberto Castello Branco, nome de Guedes— e indicou para seu lugar o general Joaquim Silva e Luna.

“O que dissemos ao presidente é que isso tem um custo econômico pesado. Se o objetivo era baixar o preço do combustível, o que aconteceu foi que os mercados começaram a subir o câmbio, a Petrobras perdeu valor”, ​disse o ministro da Economia em entrevista à CNN.

“E o presidente mesmo falou que quer fazer isso organizadamente. Ai mostrou-se ao presidente que tem contratos, e o presidente da Petrobras não terá seu contrato renovado. Por quê? Quer se mexer nessa governança? Isso é uma questão em aberto ainda para o futuro. Vamos ver como o novo presidente da Petrobras vai enfrentar esse problema aí na frente”, acrescentou.

Guedes ainda tentou aliviar para Bolsonaro, porém —disse ser natural que o presidente se preocupe com sua base eleitoral entre os caminhoneiros.

Leia mais: Pois é, nada mudou da esquerda para a direita.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO