Haddad “estrutura problemas estruturais”

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, cometeu o que, na psicanálise, chama-se “lapsus linguae”, um lapso de linguagem. Ao sair da missa em comemoração aos 461 anos da cidade, o alcaide petista avaliou que 2014 foi um ano “muito bom” para a sua administração. Até aí, Haddad ficou só no plano da fantasia — ou da mentira — mais comum aos políticos. O lapso veio no prosseguimento da fala. “Conseguimos estruturar alguns problemas estruturais de longo prazo”, disse ele.
É o que, de fato, Fernando Haddad vem fazendo desde que assumiu o cargo em 2012. Ou seja, tornando ainda mais robustas as disfunções paulistanas, como o trânsito exasperante, a desordem no espaço público, a falta de manutenção do mobiliário urbano, a sujeira das ruas e a negligência premeditada com áreas degradadas, como a Cracolândia.
O lapso de linguagem, de acordo com Sigmund Freud, expressa uma verdade interior, um desejo do inconsciente. Talvez o revolucionário esquerdista é que tenha se expressado hoje na entrevista aos jornalistas que o cercavam– aquele que se dispõe a tudo para  “acirrar os conflitos e derrubar a burguesia”. Na prefeitura, Fernando Haddad realiza o seu sonho “conseguindo estruturar alguns problemas estruturais de longo prazo.”
Recomendamos três sessões por semana, no mínimo.

Anotei que Haddad foi mimado na infância e…

Faça o primeiro comentário