Iabas usou médicos de postos de saúde em hospital de campanha

Iabas usou médicos de postos de saúde em hospital de campanha

O presidente do Iabas, Claudio Alves França, admitiu hoje em CPI da Alesp que o Iabas deslocou médicos de unidades básicas de saúde, contratados separadamente pela prefeitura de São Paulo, para trabalhar no hospital de campanha do Anhembi, bancado pela prefeitura e pelo governo estadual.

“Alguns profissionais estavam sendo afastados, e [com] a necessidade de uma equipe integral e 100% voltada para a assistência da população, nós tivemos que remanejar alguns funcionários pra fazer uma cobertura de uma ausência, de um afastamento, uma vez que a gente não poderia deixar os nossos pacientes desassistidos”, disse França, respondendo a pergunta da deputada estadual Janaina Paschoal (PSL).

“Todos os profissionais que foram deslocados tinham capacidade técnica o suficiente para atender a todos os requisitos do protocolo e dar assistência ao paciente”, acrescentou o presidente do Iabas.

A deputada estadual Analice Fernandes (PSDB) afirmou que, com isso, o Iabas “não cumpriu com o requisito primordial que é a execução da atenção básica, porque lá na ponta vai faltar” o profissional que foi ao hospital de campanha.

França garantiu não ter havido “desassistência no processo de atenção básica”, por ter havido uma ociosidade da equipe das UBS com a redução da demanda ambulatorial. Também destacou que não haveria tempo hábil para o recrutamento de novos profissionais.

França também afirmou: “Os profissionais não foram remunerados duplamente, exceto em casos fora do horário de trabalho, fazer hora extra”.

Analice retrucou que o Iabas foi selecionado no concurso de projetos por ter capacidade para fazer o atendimento do hospital de campanha. França não soube responder quantos profissionais foram deslocados, mas se comprometeu a informar os números depois, e, se for o caso, devolver dinheiro aos cofres públicos.

Claudio Alves França foi um dos alvos da Operação Placebo, no fim de maio.

Leia mais: OS R$ 42 MILHÕES DO ADVOGADO DE BOLSONARO
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 2 comentários
TOPO