Igor Romário: “Não teve interferência de Brasília”

O delegado Igor Romário, coordenador da Lava Jato em Curitiba, disse à imprensa há pouco que a decisão de acabar com a força-tarefa da PF foi tomada por questões operacionais, sem interferência de Brasília.

“Foi uma decisão de caráter exclusivamente operacional, não teve interferência de Brasília. Foi uma definição administrativa.”

Diante da repercussão negativa, Romário pediu autorização aos superiores para se pronunciar publicamente. “A nossa demanda hoje de procedimentos em andamento é bem menor do que no ano passado”, explicou.

Desde que a notícia veio a público hoje, primeiro em postagem do procurador Carlos Fernando e depois em reportagem da Época, a PF já soltou duas notas à imprensa para tentar esclarecer a medida.

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Ler mais 4 comentários
  1. Pra princípio de conversa a verdade dos fatos e os motivos da mudança na PF irão aparecer cedo ou tarde assim como vazaram outras lambanças contra a Lava Jato. O Temer, segundo disseram pela aí, cairá em 15 dias. Vindo o Rodrigo Maia do DEM com a garantia de manter a equipe econômica no resto certamente que haverão mudanças… inclusive com a saída do atual Min da Justiça. Aguardemos.

  2. O detector detectou alteração significativa no movimento da agulhinha. saudações “o agulhinha”.

  3. Fica claro q o Planalto não tem nada com isso Não adianta tentar jogar p lá, o povo da PF cansou dessa operação – como todos aliás.

Os comentários para essa notícia foram encerrados.