Imbassahy se escora em Doria

Com o cargo ameaçado pelas cobranças do Centrão a Michel Temer, o ministro tucano Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo) agora se aproxima do prefeito de São Paulo, João Doria, segundo o Painel da Folha.

Imbassahy tem o apreço pessoal do presidente, mas viu seu padrinho no tucanato, Aécio Neves, perder força – e nunca foi chegado ao governador Geraldo Alckmin.

 

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

  1. O PSDB apoiar Alckmin é um jogo de PERDE, PERDE.
    Já começa perdendo o estado de SP para o PSB.
    Seguirá perdendo a presidência, pois como Alckmin esta enrolado na LAVA JATO, será atacado diuturnamente por todos os lados.
    O PSDB entrar na conversa fiada de Alckmin é jogar o jogo do PERDE, PERDE!

  2. Ler mais 15 comentários
    1. O PSDB apoiar Alckmin é um jogo de PERDE, PERDE.
      Já começa perdendo o estado de SP para o PSB.
      Seguirá perdendo a presidência, pois como Alckmin esta enrolado na LAVA JATO, será atacado diuturnamente por todos os lados.
      O PSDB entrar na conversa fiada de Alckmin é jogar o jogo do PERDE, PERDE!

    2. Qualquer nome das cúpulas do pt, psdb, ou pmdb, e seus puxadinhos e derivados, é comprometido com esses grandes partidos nas suas agendas político partidários, em projetos de poder a nível nacional e internacional, levando em conta que todos esses partidos são um antro de globalistas, esquerdistas, isentões, fabianos, socialistas, comunistas, etc. Só Bolsonaro rompe com esse establishment, pois ele não nomearia, com o poder de um presidente, pessoas para cargos importantes segundo a ótica do fisiologismo da governabilidade da cleptocracia. Não há um Doria, Ciro, Marina, Lula, Alckmin, ou qualquer outro que tenha histórico de independência ou desprendimento em relação às cúpulas de grandes partidos, que venha a discursar agora sem parecer demagogo, ao querer se passar por novidade.

      1. Com vcs para variar, o bolsonático monotemático!
        Quer renovação e vêm com um Bolsonaro, kkkk, francamente, fala mal do PSDB e vêm com um PEN, kkkk!
        PEN 51, uma boa idéia, SQN!!

    3. Lembro do Imbassahy na votação das 10 medidas, quando orientou a bancada do PSDB a decidir pelo voto simbólico e não pelo voto nominal. Naquele dia decidi que o PSDB jamais teria um voto meu novamente.

      1. Doria não é do mesmo!
        Xucra desistiu do Bolsonaro??
        Kkkk, a mini ditadora agora prega o voto nulo, kkkk, vá te catar!

    4. Esse Imbassaí sempre foi um subserviente bajulador de ACM, agora bajula Temer e agora vai bajular Daria o prefeito de São Paulo sempre vai ficar na sombra de alguém por que um incompetente e depende da política para sobreviver com dinheiro público. Fez o serviço público de profissão

    5. Dória encontrou-se com Temer e Beiçola. Isso é público e notório. Depois disso, mudou completamente! Parou de “prefeitar”! Temer está financiando Dória. Isso é claríssimo e faz parte do acórdão SALVA GERAL!

    6. Usando a Folha novamente, Antagonistas? Mesmo depois de a terem desqualificado de todas as formas, formatos, feitios e maneiras? Desespero é isso aí. Acaba com os princípios de qualquer um, como se pode ver…

      1. E por acaso mentiram??? A Folha é muito tendenciosa mesmo. Mas faz parte da ética colocar a fonte das notícias, coisa que nem todos fazem.

    7. A proximidade com Temer ou não, agora não é a questão, a questão é que Doria é o único nome com reais chances de defende o legado de Temer, e mesmo que a midia sistematicamente venha tentando esvaziar esse legado, o fato é que existe sim esse legado, Imbassahy aproximando-se de Doria, só demonstra o quanto é forte o pólo de atração de João Doria, mostrando-se cada vez mais, a opção mais segura em nosso caminho pelas reformas.
      GO DORIA, GO!!

    8. ‘Sua movimentação é um sinal de que Doria anda mesmo próximo a Temer – até demais, dada a impopularidade do presidente, para um potencial candidato ao Planalto’.
      “Tem que manter isso, viu?”
      (Dilma Vana Rousseff)