Impeachment: como será o amanhã

Amanhã, o Antagonista iniciará com seus leitores a última longa jornada até a queda definitiva de Dilma Rousseff.

Às 9h, se Ricardo Lewandowski for pontual, começará o primeiro dia da sessão do julgamento da petista no plenário do Senado.

A cada quatro horas, haverá uma hora de intervalo. O objetivo é escutar quatro testemunhas: as duas da acusação e duas de um total de seis da defesa.

Vejam como será o dia de trabalho, que poderá se estender até a noite:

– Primeiro, o presidente do STF responderá a questões de ordem dos senadores — a maioria, claro, feita pela bancada do jardim de infância. Não há nenhum recurso pendente nem mais o que questionar, mas eles vão espernear.

– Lewandowski poderá fazer perguntas às testemunhas, sem tempo definido.

– Depois, senadores inscritos terão até três minutos para fazer perguntas e mais três minutos para réplica; as testemunhas vão dispor de três minutos para responder e mais três para tréplica.

– Em seguida, acusação e defesa terão até seis minutos cada um, para questionar e mais quatro minutos para a réplica; as testemunhas vão dispor de seis minutos para responder e mais quatro para a réplica.

Os senadores não poderão fazer perguntas repetidas para as testemunhas.