ACESSE

"Impossível que Bolsonaro não soubesse"

Telegram

“Impossível que Jair Bolsonaro não soubesse que um assessor direto, Tercio Arnaud Tomaz, é quem dispara, ou disparava, o gatilho, certamente do próprio Palácio do Planalto, contra adversários como Sergio Moro, Wilson Witzel e outros muitos”, diz O Globo, em editorial.

“Fica exposto o uso de dinheiro público na alimentação da rede criminosa, porque há verbas de gabinetes de parlamentares e até do presidente usadas para manter esta máquina em funcionamento. O levantamento deste desvio de dinheiro do contribuinte deve ser mais uma tarefa nesta fase de investigação sobre os Bolsonaro e aliados.”

Se é para desmantelar a quadrilha digital, é preciso desvendar também o esquema que financiou as atividades clandestinas dos blogueiros de crachá no Twitter e no YouTube, e não só no Facebook.

Leia também a reportagem da Crusoé.

Leia mais: Comprovação do elo entre a Presidência da República e o gabinete do ódio complica Bolsonaro. Clique e leia

Comentários

  • Edelson -

    Evidente. Se as postagens eram feitas durante o expediente, então o milíciano digital era remunerado com o dinheiro do contribuinte. Crime!

  • Roseane -

    E os secretos cartões corporativos, hein?

  • Margareth -

    É, Realista, mas cloroquina só com duas avaliações cardiológicas por dia. Espero que Regina tenha um ótimo plano de saúde, igual ao do presidente.

Ler 51 comentários