“A impressão que tenho é que foi uma indicação política”, diz uma das criadoras da Apex

A economista e ex-ministra Dorothea Werneck ajudou a desenvolver o projeto da Apex, no fim da década de 1990, no segundo governo FHC.

Diante da confusão envolvendo o comando da agência, ela disse a O Antagonista que o órgão tem que se blindar de interferências políticas para continuar cumprindo seu papel.

“A Apex tem um papel a cumprir, mas perdeu o foco, se diversificou muito, passaram a ter essa história de escritório no exterior”, comentou ela, que tocou a agência durante quase quatro anos.

Sobre Alex Carreiro, que foi demitido pelo ministro das Relações Exteriores, mas ainda não deixou o cargo, ela afirmou:

“A impressão que tenho é que foi uma indicação política, não técnica. Mas ainda estou achando isso estranho. Eduardo Bolsonaro parece ser muito ligado ao novo ministro, como ele indicaria alguém sem consultar o ministro?”

Para Dorothea, o cerne da questão passa por definir claramente se a Apex é independente ou ligada ao Itamaraty — a equipe de Jair Bolsonaro decidiu que a agência ficaria no guarda-chuva do Ministério de Relações Exteriores.

“A Apex é do Itamaraty ou não? Se é do Itamaraty, ao meu ver, cabe ao ministro indicar o presidente. Se é independente, a história muda.”

O último golpe de Eunício Oliveira. No seu bolso. Leia mais

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 30 comentários
  1. Acompanho a APEX há muitos anos, por ter parente que passou em concurso lá. Nunca apresentou resultados que justificassem sua existência. Cabide de empregos para apadrinhados que viajam pelo mundo.

  2. O ministro procura alguém alinhado com suas ideias. No entanto, me parece que esta área de comércio exterior não deve ter ideologia. Ou seja, até é bom um cara não comunista. Só isso.

    1. Da turminha dos antas e dos centro-esquerdas que a mídia que se diz “de direita” ou “isentona” louva até hoje

  3. apex é coisa de profissional e não de amigo do filho do presidente! chega de interferências nas agências públicas! mais moralidade no trato da república! nada de cargão para “amigos”!

  4. Senhores, o que adianta discutir “escola sem partido”, quando se desnuda, a cada dia, “um partido sem escola”?.Os ptebas eram mais organizados no tocante a indicação de apadrinhados para saquear

  5. E a certeza com que muitos ficam é que Eduardo Bolsoboy colocou um amigo inapto para exercer um cargo numa agência subordinada a um doido varrido. E todos admiram o mesmo astróloigo.

    1. Vicente: Não. Simplesmente por ele crer no tal “Deus de Trump” e no Olavo de Carvalho -um astrólogo que se faz passar por filósofo. Mais nada. Mas já basta para ser doido.

    2. Não, Vicente. É doiso varrido por admirar outro doido, o Olavo de Carvalho. Acho que quem o admira é porque não entendeu nada que ele disse, então fica achando que ele é um gênio. Afff…

    3. Doido varrido porque não se alinha com seus preferidos, não? Venezuela, Cuba, Nicaragua, África de maneira geral, não é isto? Este grandes países que vocês amam?