ACESSE

Independência ou vassalagem

Telegram

Em sua coluna na Crusoé, Felipe Moura Brasil cita o discurso de Jair Bolsonaro na Assembleia Geral da ONU, em que reafirma o compromisso com o combate à corrupção. O colunista lembra que “ou se contribui para a construção de um mundo onde não haja impunidade, ou se faz pressão contrária à investigação de um ministro abrigado por Lula no STF que abriu um inquérito ilegal para se blindar contra informações e apurações incômodas”.

Felipe Moura destaca o episódio envolvendo Flávio Bolsonaro e Selma Arruda, a Juíza Selma, que deixou o PSL “após a articulação ativa do filho do presidente, mas não retirou sua assinatura do pedido de criação da CPI da Lava Toga”.

O texto também trata do caso envolvendo dois membros do CNMP — Lauro Machado e Dermeval Farias — que mantiveram suas posições em meio a pressões internas e externas, mas não puderam escolher ficar em seus cargos, tendo sua recondução rejeitada pelo Senado. Machado, inclusive, proferiu um discurso de despedida no mesmo dia do pronunciamento de Bolsonaro na ONU.

Leia um trecho da coluna de Felipe Moura Brasil:

“Nesses tempos de sabujice e vassalagem explícitas – no CNMP, no Congresso, no STF, na PGR, em gabinetes do Executivo e dos legislativos estaduais, nas redes sociais e no resto da internet –, com patrulhamento vil de consciência, o discurso de Lauro Machado é uma raridade e sua citação educa pelo exemplo contrário. (…) Negociar valores morais para agradar a quem não os tem é invariavelmente o princípio da vassalagem, da corrupção, da impunidade.”

Leia a íntegra na Crusoé:

Independência ou vassalagem

Exclusivo: PF já sabe a quem hacker tentou vender mensagens roubadas da Lava Jato.

Comentários

  • Helena -

    Que perfeito!

  • Carmen -

    Assista o silêncio de Bolsonaro diante do avanço de lei do abuso e o abuso cometido ontem pelo STF.

  • Carmen -

    Assista não : espanta é a palavra correta.

Ler 22 comentários