ACESSE

Infraestrutura envia 63 denúncias de fraudes e desvios à PF

Telegram

Até ser convidada para trabalhar no Ministério da Infraestrutura, a delegada federal Fernanda Costa de Oliveira conduzia dezenas de investigações na Delegacia de Inquéritos Especiais da Superintendência da PF no Distrito Federal. A delegada investigou o tráfico de influência de Lula no BNDES, propina para governadores nas obras do estádio Mané Garrincha, em Brasília, fraudes em demarcações e até desvios no então Ministério dos Transportes.

Agora, na Infraestrutura, órgão que foi renomeado e absorveu a estrutura do antigo Ministério dos Transportes, ela tenta reverter a fama da pasta, conquistada graças às investigações como as que ela conduziu no passado, de ser palco de grandes escândalos de corrupção.

A delegada é a responsável pelo programa “Radar Anticorrupção” criado para identificar a corrupção no nascedouro. Desde que foi nomeada, Fernanda Costa e sua equipe já receberam cerca de 300 denúncias que renderam 127 encaminhamentos para outros órgãos de controle. Somente a Polícia Federal recebeu 63 notícias-crimes com possíveis casos de fraudes em licitação, desvio de dinheiro público e outros crimes.

Questionada em entrevista à Crusoé se é possível equilibrar a demanda por indicações de partidos do Centrão para o governo e a prevenção de desvios, a delegada afirma que um dos pilares do programa é a análise de integridade dos indicados para cargos comissionados. Em um ano, 456 possíveis servidores tiveram seus passados revirados em busca de processos, condenações ou investigações que pudessem desaboná-los.

Leia aqui.

Leia mais: A 'paz conveniente' reina em Brasília

Comentários

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 21 comentários