Inquérito sobre Boulos é herança de André Mendonça; nova gestão pretende engavetar

Inquérito sobre Boulos é herança de André Mendonça; nova gestão pretende engavetar
Foto: Marcello Casal Jr /Agência Brasil

O Antagonista apurou que o inquérito da Polícia Federal sobre um tuíte de Guilherme Boulos contra Jair Bolsonaro foi aberto no ano passado, a mando do então ministro da Justiça, André Mendonça.

Como registramos mais cedo, o ex-candidato a prefeito de São Paulo foi intimado a depor, com base na Lei de Segurança Nacional, por ter escrito no Twitter: “Um lembrete para Bolsonaro: a dinastia de Luís XIV terminou na guilhotina…”

A postagem foi feita no embalo do protesto convocado por Bolsonaro contra o Supremo em frente ao Quartel General do Exército, em Brasília.

Em sua gestão, Mendonça notabilizou-se por usar a Polícia Federal contra inimigos políticos do governo, abrindo investigação até contra um empresário que chamou Bolsonaro de “pequi roído” num outdoor.

O ex-ministro também partiu para cima do youtuber Felipe Neto e do ex-ministro Ciro Gomes, o que acendeu o alerta no Supremo para o risco de piorar o cenário político às vésperas da eleição de 2022.

Esse comportamento de Mendonça o queimou na disputa por uma vaga no STF e precipitou sua queda do Ministério da Justiça e a escolha do delegado Paulo Gustavo Maiurino para o lugar de Alexandre Rolando no comando da Polícia Federal.

A nova gestão da PF, conforme O Antagonista apurou, deve evitar novos “inquéritos políticos” e os que já estão em andamento terão como destino o lixo da história. Resta ao próprio Supremo fazer o mesmo.

Leia mais: Assine a Crusoé, a publicação que fiscaliza TODOS os poderes da República.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO