Interesses partidários

O atentado em Paris na última sexta será usado por Eduardo Cunha para acelerar a aprovação da lei que tipifica o terrorismo no Brasil. Fernando Rodrigues informa no UOL que a intenção do presidente da Câmara é manter o texto inicialmente aprovado pela casa, ignorando as alterações sugeridas pelo Senado.

Desta forma, Cunha deve garantir ainda esta semana mais uma vitória para o PT, que teme ver os protestos violentos de suas militâncias atingidos pela nova lei. Eainda derrota o PSDB, uma vez que as alterações foram defendidas por Aloysio Nunes, que via na proposta uma definição “excessivamente aberta e imprecisa” do crime.

Perde também o brasileiro, que vê sua segurança refém de interesses partidários.