Israel tenta se aproximar de ruralistas brasileiros

O premiê de Israel, Binyamin Netanyahu, convidou João Martins da Silva Junior, presidente da CNA –principal entidade do setor agropecuário brasileiro– para uma reunião no Rio, relata Thais Bilenky na Folha.

Segundo a assessoria da CNA, Silva recusou porque já tinha uma viagem programada com antecedência na data, 31 de dezembro.

O gesto de Netanyahu ocorre em meio à preocupação do agronegócio com a intenção manifestada por Jair Bolsonaro de transferir a embaixada brasileira de Tel Aviv para Jerusalém, como os EUA fizeram.

Os ruralistas temem represálias comerciais de países árabes, que juntos representam o segundo maior comprador de proteína animal brasileira. Em 2017, as exportações do Brasil para esses países somaram US$ 13,5 bilhões.

Temos uma chance única de começar a limpeza do Judiciário. LEIA AQUI

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

  1. Ninguém que vende commodities tem que se preocupar com clientes pois o mesmo não tem valor agregado nenhum. No máximo se preocupa com preço e produtividade evitando excessos de produção.

Ler mais 84 comentários
  1. Ninguém que vende commodities tem que se preocupar com clientes pois o mesmo não tem valor agregado nenhum. No máximo se preocupa com preço e produtividade evitando excessos de produção.

  2. Ora, o Brasil tem no agro um ster importantíssimo mas não vai ficar atrelado apenas aos seus interesses. Não existe “os árabes” e sim diversos países. Jerusalém capital de Israel e lá nossa e

  3. Nao sei a preocupação dos agronegócio com a ameaça de países árabes não comprar carne brasileira. Se não comprar do Brasil, vai comprar de quem? O mundo não ta tão cheio de oferta de carne n

    1. Israel é mais valioso do que todos aqueles países árabes do norte da áfrica. Se você tem a síndrome do cachorro manso, tenha em casa com a sua mulher e nao venha aqui propor covardia ao novo gov

    1. … é possível fazer acordos diplomáticos, já que laços civilizatórios existem. Assim como existe em relação aos EUA, e países europeus. O Brasil tem que crescer e preservar a civilização.

    2. Meros acordos comerciais, sem aproximações diplomáticas, só servem pra uma nação subjugar a outra, ou invadir a soberania. O Brasil tem muito a ganhar com Israel, pois com esta nação…

    3. Desde que acordos diplomáticos possibilitam acordos econômicos muito maiores, se firmados antes dos acordo econômicos, pois demonstra confiança recíproca entre duas nações.

    1. Israel é uma potência, e consegue ser essa potência em meio a um clima adverso, e envolto por ditaduras islâmicas que promovem atrocidades contra judeus, cristãos, mulheres, e seus povos.

    2. Waze, ICQ, firewall, pendrive, drone, pílula com câmera, tomate cereja, invenção da dessalinização da água do mar, aquecimento solar e outras inovações usadas no dia a dia vieram de Israel.

  4. Brasil tem que reconhecer toda a Jerusalém como capital eterna de Israel.Teriamos um grande parceiro que nos traria tecnologia em diversas áreas.O mundo árabe não tem nada de bom a oferecer.

  5. Brasil tem que reconhecer toda a Jerusalém como capital eterna de Israel.Teriamos um grande parceiro que nos traria tecnologia em diversas áreas.O mundo árabe não tem nada de bom a oferecer.

    1. Acordos diplomáticos proporcionam acordos econômicos muito maiores do que esses acordos comerciais sem acordos diplomáticos, antecipadamente. E acordos diplomáticos só são possíveis…

  6. Esse sujeito, o presidente da CNA, o compromisso dele na verdade é passar o réveillon em algum lugar que não me interessa. Se não tem compromisso com a entidade, então que entregue o cargo.

    1. Também achei estranho não se encontrar com o Premiê. Deve ser um cagão irresponsável. Melhor entregar a presidência p alguem comprometido com a entidade

  7. Bem, eu acho que teremos muito a ganhar com maior participação dos israelenses em nossa produção rural, principalmente no nordeste. Agora, transferir a capital NÃO! Para quê? Criar um caso inút

    1. … culturais, de intercâmbio estudantil, e acima de tudo, turísticos, civilizatórios. É o Brasil se reaproximando do mundo livre, civilizado.

    2. … a mesma medida. Transferir a embaixada significa uma reaproximação diplomática que implicará não só em acordos econômicos melhores, mas também acordos militares, tecnológicos…

    3. Pra quê? Pra pode dar um sinal ao mundo, de que o Brasil tem civilização, cultura pra preservar. O Brasil pode dar um peso simbólico, e ser o catalizador pra outras nações grandes tomarem…

    1. Eles vão fechar a bodega. A grana está acabando. Não falam em nome de ninguem. Não conhecem a realidade do agronegocio. Os Agricultores nem sabem quem são. É entidade criada para alojar desemp

    1. E o Brasil tem muito mais a ver com os EUA e Israel, países europeus. Não tem razão pra ficar preso a acordos com tiranias islâmicas, africanas, asiáticas, ou latino-americanas.

    2. Deixe de falar besteira. O Brasil tem que se reaproximar de países com os quais divide uma civilização. Ou, no futuro, teremos interferências indesejáveis de nações islâmicas e chinesas.

  8. Antas pregam a desonestidade como padrão brasileiro, pregam que um Presidente deva quebrar promessas de campanha, vocês estão subindo o telhado, em algum momento eu nunca mais entro nessa sucur da

  9. Pois o cara devia encontrar e buscar saber como Israel exporta frutas e verduras e legumes para toda a Europa e EUA,. o Brasil está indo para tras na fila pq nao aprende produzir com qualidade

  10. Tem que parar com esse “cagaço”. Se não comprarem do Brasil vão comprar de quem? Ou vão parar de consumir, ou vão pagar mais caro ora bolas. Empresários com medo? Só aqui mesmo…

    1. O Brasil é celeiro do mundo e tem pra vender. Índia tem superpopulação, a China também tem, e países europeus, ou a Austrália, não tem o nível de matérias primas que o Brasil tem.

    1. Negativo. Do ponto de vista civilizatório, só uma nação merece aproximações diplomáticas. O lado de Israel. O lado das tiranias islâmicas só merece acordos comerciais pontuais, e olhe lá.

  11. Ué, mas a desculpa era que ia prejudicar as exportações e blá blá blá.. pelo menos aceite ouvir o ministro de Israel e saber das propostas dele, quem sabe elas não são melhores que as dos ára

  12. A única coisa que ele pode oferecer pra agradar e acalmar os ruralistas são 14 bilhões de dólares anuais pra repor as perdas.. Fazendeiros não tão nem aí pra Israel ou pra árabes, só querem v

    1. Pode apostar que vão se reunir. E sim, leitor de nick esquisito, qualquer pessoa que tenha um sentimento de patriotismo não irá querer ser colônia de islâmicos e chineses num país cristão.

    2. E isso para os judeus ricos é fichinha. Que falta de visão dos agricultores em não se reunirem com o premier de Israel.