Não adianta mentir

João Santana não está num comercial político, mas numa cela de verdade com grossas barras de ferro. Não vai adiantar repetir mil vezes sua versão mentirosa à Polícia Federal.

A defesa de Santana e Mônica Moura quer isolar o publicitário para tentar livrá-lo de responsabilidade sobre “questões financeiras”. “Ele é um criador, não acompanha isso”, disse Fábio Tofic.

Quem conhece o Tio Patinhas, sabe que ele sempre foi preocupado com questões financeiras. A conta Shellbill é a prova perfeita disso, pois foi aberta em 1998, há 18 anos, em nome de sua primeira filha Suriá Luirí.

Também não adianta Mônica dizer que não conhecia Zwi Skornicki, considerando o conteúdo da carta que enviou para o operador.