ACESSE

Isso, o CNJ não proíbe

Telegram

O CNJ quer amordaçar os juízes nas redes sociais, mas não toma providência nenhuma em relação a entidades formadas por magistrados abertamente partidários, como a Associação Juízes para a Democracia, que considera que Lula foi um “preso político” e que “as instituições estão sendo soterradas por um plutocracia fascista”.

Por sinal, graças a uma liminar de Ricardo Lewandowski, a Associação Juízes para a Democracia, entidade de caráter político, tem uma presidente que ganha licença remunerada da Justiça do Trabalho para fazer política.

Isso, o CNJ não proíbe.

 

Lava Jato coloca a lupa sobre os negócios de Lulinha, que agora é alvo preferencial das investigações. CONFIRA

Comentários

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 70 comentários