JANOT MAIS ENROLADO

Depois de a Veja revelar que Léo Pinheiro citara o ministro Dias Toffoli em sua delação, o procurador-geral negou que houvesse “negociações ou pretensas negociações de colaboração” que envolvessem “essa alta autoridade pública”.

Agora, em nota a Veja, Janot reconhece que “foram discutidos fatos a respeito do ministro Toffoli”:

“Durante as negociações do acordo da OAS, foram discutidos fatos a respeito do ministro Toffoli. O procurador da República não disse em momento algum que o anexo não existia. Apenas ressaltou que a empreiteira não formalizou o capítulo publicado pela revista, conforme apresentado durante as negociações. Quando o procurador falou em estelionato delacional, estava se referindo ao vazamento ilegal. O acordo foi cancelado por quebra de confiança.”

Se vazamentos não provocaram o cancelamento de outras delações, por que isso agora?

Faça o primeiro comentário