Tasso: "Acho muito difícil uma frente ampla no Brasil"

Tasso: “Acho muito difícil uma frente ampla no Brasil”
Foto: Beto Barata/Agência Senado

O senador Tasso Jereissati (PSDB), em entrevista a O Antagonista, disse que não acredita em formação de “frente ampla” no Brasil para as eleições presidenciais de 2022.

“Acho muito difícil uma frente ampla no Brasil. Eu adoraria que ela existisse e prego isso todo dia. Mas a frente ampla exigiria dos candidatáveis um desprendimento de estadista, exigiria que cada um deles abrisse mão de projetos pessoais e partidários, em nome de um projeto nacional comum. Nós precisamos sair do que temos hoje no Brasil, precisamos sair de uma coisa tão tosca e primária, elevar o padrão de sensibilidade. Seria o ideal, torço todo dia por isso e, se eu puder influenciar, vou lutar por isso. Mas acho muito difícil.”

Sem “frente ampla”, Jair Bolsonaro caminharia para a reeleição?

“Eu não acho que os índices de hoje que Bolsonaro tem são índices de quem vai se reeleger. O grau de rejeição é muito grande. O grande perigo será se as candidaturas de centro forem muito divididas. Aí a possibilidade de ele ir para o segundo turno é grande. Existe uma extrema direita no Brasil forte e organizada, que ninguém sabia que existia. Se, do outro lado, tivermos a extrema esquerda… é a única chance de Bolsonaro ser competitivo. Não podemos permitir isso. Esse Fla-Flu de novo não pode voltar.”

Quando questionado sobre os nomes mais fortes no centro, Jereissati respondeu:

“Acho que tem muita água para rolar embaixo da ponte.”

Leia também: Jereissati diz que Bolsonaro cometeu crimes de responsabilidade, mas não defende impeachment

Leia também: Jereissati: “Não é um governo de coalizão, é de cooptação escancarada”

Leia mais: Assine a Crusoé, a revista que não tem medo de apontar os verdadeiros culpados pelas mazelas brasileiras.
Mais notícias
TOPO