Jobim: “O que há é uma presunção genérica”

Alexandre Kruel Jobim encerrou a sustentação oral pedindo a absolvição do deputado Nelson Meurer, por “ausência de cabimento de corrupção passiva, que exige um ato de ofício”.

“O que há é uma presunção genérica. Aqui se coloca uma questão genérica, e dando a Meurer uma participação que não foi provada, nem mencionada pelos delatores.”

Temas relacionados:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

  1. Renato de Barcelos disse:

    Para estes canalhas a corrupção tem que ser com papel passado e reconhecimento de firma em cartório a dissimulação e as ações realizadas via terceiros com evidências claras da entrega do produto da propina não serve.

Ler comentários
  1. Flávia disse:

    Lascou-se. Condenação por corrupção passiva não exige mais ato de ofício. Foi assim que Lula foi pro xilindro, aecio vai também, e mais uma cambada de mesmo naipe.

  2. Adevogado disse:

    Dando uma força no post da família Jobim: xxxxxxxxxxx

  3. Não são presunções!!! São roubos mesmo!!! disse:

    Sempre os bandidos vão vulgarizar os trabalhos bem feitos. Não são presunções!!! São roubos descarados dos cofres públicos. Esse advogado vive na bandidagem!!!

  4. Alberto disse:

    Mais um a ser canonizado, segundo o advogado do corrupto da hora. Ninguém roubou, sacanagem com os políticos ilibados. VTNC!