Joesley: “Capacidade do Guido Mantega de influenciar no BNDES sempre se mostrou verdadeira”

À PGR, Joesley Batista disse não saber se Guido Mantega repassava propina aos diretores do BNDES. Mas que manteve a influência no banco, mesmo fora dele.

“Nunca consegui entender sobre quem se dava esse poder e se decorria de mero temor reverencial ou de repasse de valores.”

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

  1. Quem vê pensa que não eram ordens expressas de Lula/Dilma. Hoje entendo porque a Dilma não despedia o Mantega, apesar de ter sido um péssimo ministro. Soo Joesley não entendia. Me engana que eu gosto, Joesley!

  2. Ler mais 10 comentários
    1. Quem vê pensa que não eram ordens expressas de Lula/Dilma. Hoje entendo porque a Dilma não despedia o Mantega, apesar de ter sido um péssimo ministro. Soo Joesley não entendia. Me engana que eu gosto, Joesley!

    2. Joesley nunca ouviu falar de um sujeito chamado Luciano Coutinho? Oh! Que surpresa! Não sei quem o Guido influenciava!!!! Era um mistério! Quem seria? Talvez fosse por reverência (!!!!!!!!!!!!!) que liberavam bilhões do BNDES para um açougueiro!!!!!

    3. Pergunta ao MPF, à PGR e à PF – sobre Guido Mantega
      “E por falar em saudade, onde anda você?
      Onde andam seus olhos, que a gente não vê? ”

      Vão ou não prender esse meliante?

    4. “Nunca consegui entender sobre quem se dava esse poder e se decorria de mero temor reverencial ou de repasse de valores.”
      Alguém traduza esta frase do Friboi, que meu “célebro” não está conseguindo. Na verdade esse safado sabe muito bem de onde “emanava” este poder todo. Lulladrão, seu sócio é o nome do “poderoso”. Somente através de uma intervenção militar é que este pulha vai confessar. Nossos políticos, a começar pelo presidente Conde Drácula e alguns de nossos juízes , infelizmente fazem parte da quadrilha. Se pelo menos ele caísse lá em Curitiba ou com o Bretas ou Valisney, teríamos alguma esperança – com este STF aí é que não!

    5. “É possível ainda que a razão do pedido fosse a não interferência ou a não criação de problemas perante o banco.”

      Simples assim. Lembrando propinado Paulo Roberto Costa, que recebeu e não sabia por quê? “Era para não atrapalhar um negócio da área internacional.”

      Enquanto perdemos tempo com isso, Gilmar e cia implodem o país.

    6. Repasse de valões, claro. Operações envolvendo tão grandes quantias e muitas vezes contrariando critérios de prazo e outros do BNDES não seriam aprovadas sem algum… pixuleco.