Joesley, o acrobata

O Valor Econômico dá mais detalhes sobre a “troca de chumbo” entre a JBS e a Trapézio:

“A J&F Participações e a Flora Produtos de Higiene e Limpeza (da JBS) abriram contas correntes no Banco Rural (da Trapézio) no dia 21 de dezembro de 2011. No dia seguinte, o Banco Rural concedeu créditos que totalizavam R$ 40 milhões à J&F e mais R$ 40 milhões à Flora. Conforme o MPF, Joesley Batista assinou as cédulas de crédito como emitente e avalista.

Descontados os impostos e taxas da operação, o Banco Rural transferiu R$ 39,650 milhões para a J&F e R$ 39,650 milhões para a Flora. Ainda segundo o MPF, esses recursos teriam sido imediatamente transferidos para a conta da J&F no Banco Original.

No dia 26 de dezembro de 2011, prossegue o MPF-SP, o Banco Original firmou contrato de mútuo com a Trapézio, concedendo um crédito de R$ 80 milhões. Descontados os impostos e taxas, o total de R$ 79,204 milhões foi creditado na conta corrente da Trapézio no Banco Original e imediatamente transferido para a conta da Trapézio no Banco Simples, que também faz parte do Conglomerado Financeiro Rural”, de acordo com o MPF-SP.”

Joesley Batista é um acrobata. E Katia Rabello é uma bailarina.

Faça o primeiro comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

1200