ACESSE

'Jogaram no meu colo' a presidência do PSL-RS, diz empresária

Telegram

Carmen Flores, a empresária que disputou pelo PSL vaga no Senado pelo Rio Grande do Sul –sem sucesso–, disse à Folha que não tinha a intenção de se eleger.

“Não entrei para ganhar o Senado, mas para dar 28 segundos [na TV] para [Jair] Bolsonaro. Ele não tinha horário político. Eu não tinha intenção de me eleger, em nenhum momento”, disse.

Segundo a ex-candidata, que recebeu R$ 200 mil do diretório nacional do PSL para a disputa, ela trabalhou “para Bolsonaro”, e não para o partido.

“Eu não sabia o que era PSL, eu era Bolsonaro. Sempre admirei a causa Bolsonaro. O ministro Onyx Lorenzoni e o presidente, na época deputado, jogaram no meu colo em 20 de março a presidência do partido.”

O advogado de Carmen, Lucas Ceccacci, disse que suas contas ainda não foram julgadas pelo TRE-RS e que não há ilegalidades nas contratações de familiares. Segundo ele, toda a movimentação financeira foi registrada e tem origem.

Bolsonaro conseguirá 'despetizar' a máquina pública? SAIBA MAIS AQUI

Comentários

  • Flaviocebalhodeolivi -

    meu só solteiro filhos irmãos 8 falar qual Deus já foi morre junto mães pai ! olrigada adeus coração vc jair !

  • Davissandro -

    Os babacas acham que Bolsonaro e PSL são iguais a Lula e PT. O PSL que se exploda. Como diz um velho ditado: "Os erros de uns são lições de outros".

  • Moacir -

    O laranjal não para de crescer. Isso não foi o que “ele” prometeu na campanha. Político é tudo igual, um bando de cinicos e mentirosos.

Ler 45 comentários