Jogos de azar: o órgão regulatório e a canibalização

O procurador da República Peterson de Paula, que estuda o tema da regulamentação dos jogos de azar, disse ao Globo que os cálculos sobre possíveis benefícios financeiros para o governo devem levar em consideração as despesas para criação de um órgão regulatório e a contratação de servidores para a fiscalização.

“Nos Estados Unidos, o sistema de regulação é tão pesado quanto o dos bancos. Isso significa dizer que será necessário criar uma estrutura estatal. Como é que você vai ampliar as modalidades de jogos no país, num contexto de emenda constitucional do teto, que impossibilita a ampliação de gastos em custeio?

Ainda na discussão sobre as contas, o economista Ricardo Gazel, doutor pela Universidade de Illinois, afirma que os números apresentados por setores favoráveis à legalização estão inflados

— O que as pesquisas mostram é que costuma ocorrer o fenômeno da canibalização: quem joga deixa de gastar em outras atividades. O que ocorre é a transferência de gasto de um setor para outro.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

  1. Renata Chaves Silva disse:

    A discussão sobre legalização do jogo (que hoje movimenta 20 vi por ano) é muito semelhante a das drogas (que hoje movimenta 12 vi por ano). Para mim o que importa é a efetividade no combate ao crime enquanto essas atividades permanecerem ilegais. Ou o controle de danos caso legalizadas. Em outras palavras, o que sai mais caro legalizar ou proibir? Se a conclusão for pela proibição que se faça isso a sério, ou seja, fiscalização efetiva e pesadas penas de prisão. O que não dá é ficar fingindo que é proibido e, na prática, ficar tolerando e fingindo que não se percebe. No Brasil o que estamos fazendo com o nosso faz de conta é fortalecer o crime organizado e, sendo assim, NÃO HÁ INTERVENÇÃO QUE RESOLVA. . . Brasil país do futuro que não chega e jamais chegará

Ler comentários
  1. Inez disse:

    Por que não abrem uma rede de lavanderias especializada em lavagem de dinheiro sujo, ilegal, roubado? Mais barato e mais fácil!

    1. Pois é, deveriam regulamentar também a corrupção. Pelo menos cobrariam impostos e poderiam prender o corrupto por não emitir nota fiscal.

  2. Fake News disse:

    Por que um Peruano, um Uruguaio, um Inglês, um Português etc, podem jogar legalmente e eu não posso?

    1. Rapaz, então vá para Portugal de navio. Ou para o Uruguai, dá para chegar de fusquinha, mas leve uma máscara contra fumaça de maconha.

    2. Na mosca. E a pergunta é : quem ganha com isso? E quem perde?

    3. Vai para lá jogar já que vem dinheiro sobrando e não apoquenta!

  3. Helio Silva disse:

    Quer legalizar o jogo no Br??. Ótimo! Delimitem a região mais pobre do Br, por exemplo, Vale do Jequitinhonha e digam que e lá que eles poderão construir e explorar cassinos. Vão espernear e dizer que não tem a minima infra para tal. Pois tal, viabilizem seus interesses e ajudem uma área totalmente desprovida do Estado.

  4. Marcio Badra disse:

    Na realidade, os cassinos dos EUA são equiparados a instituições financeiras para fins de combate à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo, mas seu funcionamento, regulamentação e fiscalização são estaduais. Quanto à canibalização, a liberação do jogo só faz sentido se estiver voltada para o mercado externo (os gringos viajam 5 ou 6 horas para jogar em Las Vegas, certamente viajariam 8 ou 9 para jogar em Manaus ou no Rio de Janeiro). Entretanto, para que isso seja viável, é preciso liberdade cambial total. Quem vai querer apostar dólares/euros e receber reais? Quem vai querer vender dólares a 3,10 e na hora de comprar de volta o que sobrou ter que pagar 3,40?

  5. Esteves disse:

    Só no brasil mesmo, estes babacas ficam criando teorias e teses sobrenome asssunto batido no mundo todo! Os cachorros ladram enquanto a caravana passa! E nos continuamos perdendo... A indústria dos jogos gera muitos empregos direta e indiretamente, nas empresas de suporte! Hospitalidade, alimentação, segurança, transporte! O babaca não coloca na lambança isto? Ele tennis excelente emprego cheio de penduricalhos e ganha acima do teto!!! Ora bolas gente fdp, só pensa no próprio umbigo! A fiscalização deve ser da Receita Federal! Nada de criar empregos para apadrinhamento em agências com milhares de CCs! Com o nível de tecnologia disponível não é difícil fiscalizar, só depende de VONTDE e TRABALHO. Precisamos SIM legalizar o jogo é gerar empregos e impostos!

    1. Você deve viver nas nuvens e sonhando. Não conseguimos controlar nossas empresas estatais, com tanta corrupção e você acha que temos condições de controlar cassino, onde até o tráfico de drogas vai se infiltrar? Acorda para a realidade, cara. Não controlamos hospitais, educação, segurança e você acha que podemos controlar cassino. Kkkkkkk

  6. Valdemar Mehl disse:

    Como o jogo não cria riqueza é óbvio que havera fatalmente umatransferencia de ponto de geração de renda; entretanto isto em sí não invalida a tese da legalizaçãqo dos jogos! Havera a necessidade de criar regulamentos e orgãos reguladres e fiscalizadoressem dúvida e daí! A discussão que se põe é a quem serve a proibição em vigor desde4 de Dutra? Para que ela serve ?

  7. infantes metidos a dultos disse:

    Me impressiona a visão ‘simplista’ que os brasileiros costumam ter das coisas.A regularização do jogo de azar, abrange muito mais que a arrecadação que possa proporcionar.Não é apenas regularizar o jogo de bicho nas esquinas, do uso de máquinas de diferentes jogos em uma salinha, etc. A regularização do jogo, trará, inevitalvemente, a estruturação de cassinos.E aí surgem os grandes problemas.Imaginem o Rio de Janeiro, na conjuntura atual, com um cassino. Não temos estrutura policial nem estrura jurídica( pela lentidão da nossa justiça), nem penitenciárias que possam abrigar o aumento de presidiários que, necessariamente, SURGIRÃO. O RIO é 1 exemplo, porém em outros estados isso seria pior.Quem conhece Las Vegas e a Sin City, sabe do que estou falando.Ñ basta os crimes que já temos?

  8. Arlindo disse:

    A legalização seria benéfica se fosse para incentivar o desenvolvimento de uma região como aconteceu com las Vegas ....legalizar para o país todo só vai agravar o problema de criminalidade nas grandes cidades .... Deveria ser liberado somente para o interior do Nordeste !!! Mesmo assim acompanhada de alguma contrapartida ....como a instalação em hotéis com programação cultural ...nunca somente um cassino ou casa de jogo.

    1. Exatamente. Só cassino nas cidades mais pobres do nordeste.

    2. Las Vegas era o coração financeiro da cosa nostra... onde se lavava todo o lucro obtido do crime em todo o país. Os mafiosos nem se importavam em não recebero dinheiro (lembra do filme Cassino? baseado por sinal em fatos reais...) pq o que importava eram os livros contábeis... Las Vegas hj é controlada por corporações... que continuam lavando dinheiro lá, não mais do crime de drogas/prostituição/roubos mas dos crimes de colarinho branco. Só não vê quem é ignorante.

  9. x da questão disse:

    Mais quanta vontade de por mais bandido por aqui para se juntar aos daqui e esses mesmos ensinarem mais ainda a arte do roubo. É incrível o dom de querer sempre fazer a coisa errada e dar um ar de que é o certo. Só nesse país em parte de gente de índole bem duvidosa para querer essas coisas ruins aqui .

  10. Indignado disse:

    @Inez ás 12:15 Pois é Inez, poderiam também regulamentar a corrupção. Pelo menos recolheriam impostos e poderiam prender os corruptos por não emitir nota fiscal pelos serviços prestados.

  11. Alex disse:

    Jogo de azar: a lavanderia perfeita para corrupção e tráfico de drogas. Aqui não é os EUA... aqui é o Brasil, onde se tu dá um dedo nego corrompe o corpo todo. E lá nos EUA tem um passado negro ... quem nunca viu o Dom Corleone do poderoso chefão? porque a casa dele ficava em Nevada? é o estado onde fica que cidade mesmo? e hj em dia... a lavanderia só mudou de dono: da cosa nostra para corporações que transformam seus excessos de lucros sem fonte em lucro dos cassinos.

  12. Márcio disse:

    Não estão levando em consideração a desgraça que o jogo causa às pessoas. Se os bingos clandestinos já arruinaram a vida de tantos, já destruíram tantas famílias, se patrimônios inteiros foram jogados na "lata do lixo" dos bingos, calcule se legalizarem essa praga. Quantos mulheres de jogadores compulsivos estão por aí, tentando reconstruir suas vidas, arruinadas no jogo?! Alguns dirão: "joga quem quer". Mas o jogo vai acabar levando `a ruína, em pouco tempo, mesmo os que não são, ainda, compulsivos. A "desgraça" é só uma questão de tempo. Horas, dias perdidos dentro de uma sala de jogatina, sem ver a vida passar. O dependente vai procurar, a todo custo, conseguir dinheiro pra satisfazer seu vício. Coisa parecida com os dependentes de drogas. E tome mais violência. Jogo é lixo.

  13. Sueli disse:

    Brasileiro é mesmo estúpido. Desgraça pouca, é besteira. Né, não?

  14. Ticu Soares disse:

    Criar mais cabides de empregos! Facilitar a lavagem de dinheiro! Estimular um dos vícios que mais desestruturam uma familia. Muitos países investiram em cassinos e não tiveram nenhum ganho com os jogos, por exemplo, a Argentina. Talvez a solução seja construir uma cidade nova tipo Las Vegas no sertão nordestino, não sei, não vejo jogadores milionários deixando de irem para Mônaco, Las Vegas, Punta, em detrimento do sertão nordestino, vejo lavadores de dinheiro, vejo o crime organizado, enfim, com 27 estados, ocorrera uma nova guerra fiscal, não sei não, colocando na balança, acho que não vale à pena.

  15. Fica à dica disse:

    Se o jogo fosse coisa boa, se chamaria, jogos de sorte, e não jogos de azar.

  16. Nathan disse:

    Existe algum órgão estatal não corrupto na BANÂNIA? Nem mesmo o STF, escapou!

  17. Renatinha disse:

    Resumindo... Mais teta para osbandidos da política mamarem.