Joia rara

A Justiça do Rio deu 48 horas para que o governador Luiz Fernando Pezão explique por que concedeu isenção fiscal à joalheria Sara, sem prazo determinado, em meio à pior crise fiscal já enfrentada pelo Estado.

Em 21 de outubro, o interino Francisco Dornelles concedeu o benefício à joalheria, mas limitado ao período de 2013 a 2015. Cinco dias depois, a Justiça fluminense determinou que o Estado não deveria promover novas isenções, até que se avaliasse o impacto dessas medidas no seu caixa.

O problema é que, já com Pezão de volta ao cargo, em novembro, o texto que concede a isenção à Sara sofreu uma retificação: o prazo final, 2015, simplesmente foi retirado. Na prática, significa que ela ainda é válida. A Justiça não gostou.

Faça o primeiro comentário