Juiz extingue ação popular que pedia interdição de Bolsonaro

O juiz Rolando Valcir Spanholo, da 21ª Vara do Distrito Federal, indeferiu ontem uma ação popular que pedia a interdição de Jair Bolsonaro.

A ação, ajuizada pelo advogado Antonio Carlos Fernandes, dizia que o presidente “demonstra, a cada dia, de forma notória, não possuir o necessário discernimento e equilíbrio mental para os atos da vida política impostos pelo alto cargo que ocupa”.

Ao fim da ação, o advogado pedia que Bolsonaro fosse interditado e que Hamilton Mourão fosse nomeado seu curador.

Spanholo determinou a extinção do processo, indicou que a via escolhida para a apresentação da ação era inadequada e apontou ilegitimidade do autor da ação. Segundo o juiz, o “único remédio jurídico” para hipóteses de abusos ou desvios cometidos durante o mandado são os crimes de responsabilidade.

Clique AQUI para ler a íntegra da sentença de Spanholo.

Comentários

  • Otávio -

    Esse advogado deve estar precisando de uma camisa de força. Boç@lidade descomunal!! Quer dit@dur@? Vai morar na Venezuela!!

  • Vovozona -

    Todos os redatores imbecis do G1 estão a perigo, fazendo bico como comentaristas MAV aqui no Antagonista. Mortadeloides imbeciloides.

  • Gilberto -

    Advogado gozador. Queria apenas tirar um sarro do Bozo e, principalmente, de seus bovinos!!! Ação popular não tem sucumbência. Sarrinho de graça!!!🤣🤣🤣

Ler 52 comentários