Jungmann diz que 'fake news' e 'teorias conspiratórias' afetam investigação do caso Bolsonaro

Raul Jungmann disse hoje que “fake news” e “teorias conspiratórias” têm atrapalhado as investigações do atentado a Jair Bolsonaro.

“Fica o tempo inteiro… Qualquer coisa que aparece, imediatamente se vai para uma teoria conspiratória. A nossa postura é: qualquer coisa que aparece, a gente investiga.”

Ele continuou:

“É a chamada fake news. Fake news é a negação da verdade e representa uma ameaça à democracia. Quando a fake news vem, ela estabelece uma verdade alternativa, desvia as pessoas, cria fatos e gera comoção.”

Segundo o ministro, dois vídeos divulgados nas redes sociais já foram verificados como falsos.

O Estadão detalha que em um deles, uma mulher teria aparecido entregando uma faca ao agressor. Segundo Jungmann, a mulher do vídeo é, na verdade, uma policial. Outro vídeo de um homem dando um soco em Bolsonaro naquela tarde do ataque também é montagem.

O ministro também afirmou que os resultados das investigações devem ser apresentados antes do primeiro turno das eleições.

“Toda e qualquer pista e informação estão sendo minuciosamente investigadas. Há um esforço para no mais curto tempo apresentar esses resultados.”

Comentários

  • João -

    Ele foi o primeiro a falar em Lobo Solitário . Não é uma fake news ???

  • Presidente-XVII -

    Esse cidadão é outro que poucas horas após o atentado já via com essa conversa de lobo solitário, sem qualquer investigação. O desabafo do Flávio Bolsonaro numa rádio do RJ diz tudo.

  • José -

    Ele ser um lobo solitário repetido aos 4 cantos não é fake news...kkkkk

Ler 148 comentários