Jungmann quer mandados coletivos no Rio

Raul Jungmann disse hoje que as operações durante a intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro vão precisar de mandados de busca e apreensão coletivos.

“Em lugar de você dizer, por exemplo, rua tal, número tal, você vai dizer, digamos uma rua inteira, uma área, um bairro. Aquele lugar ali é possível de ter um mandado de busca e apreensão dentro de todos os procedimentos legais”, afirmou o ministro, segundo registro do G1.

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Ler mais 26 comentários
  1. Corretíssimo! Tem que ser com mandado coletivo senão a polícia tendo o mandado apenas para determinada casa na comunidade, o bandido foge para a vizinhança e a polícia não pode entrar em outra residência para prendê-lo.

  2. Olha, desse jeito o Congresso vai acabar negando essa intervenção.
    Deem essa autorização para as polícias fazerem isso oficialmente e vejam se a criminalidade não vai cair.
    E construam presídios!

  3. Mais uma prova que foi uma ação eleitoreira, feita nas coxas, sem planejamento algum. Isso tinha que já ter sido minuciosamente discutido e decidido ANTES do anúncio da intervenção (que por sinal, sequer deveria ter sido anunciada). Bandido não vai ficar na favela esperando o exército entrar. Aliás, dá impressão que a pirotecnia toda é justamente para dar tempo para a malandragem se pirulitar! Quem tinha que vazar, já vazou!
    Bolsonaro tinha razão!

  4. Tem de combinar com os russos, q neste caso sao os juízes. Muitos com diploma summa cum laude em Gramscismo, isto é, adeptos ao direitos dos manos. Aproveita e enquadra a OAB tb!
    Até Iolanda, a terrorista oligofrênica, na tentativa de evitar seu impeachment, buscou junto aos milicos a possibilidade de decretar estado de alerta. É por aí! Estado de alerta. Prende primeiro, investiga depois.

  5. Quero ver citarem nome de rua em favela. Só se for a favela toda. A burocracia já começa aparecer e atrapalhar: reuniões e reuniões; defensores dos direitos dos “manus”; advogados querendo mostrar que entendem de leis; leis caducas que só atrapalham; e, parlamentar querendo salvar sua reeleição.

  6. O Estado (governos de hoje e sempre) brasileiro é aquele cara que vê você mancando por causa de uma simples unha encravada…
    aí chega por trás de você com um porrete e esmigalha todos os ossos de suas pernas.
    Quebra tudinho…
    Aí te vende (obriga a comprar) um par de caríssimas muletas e e botas ortopédicas para o resto de sua vida e ainda tem a cara-de-pau de lhe dizer:
    “Viu, se não fosse por minha imensa bondade e preocupação, você jamais conseguiria andar!”

  7. Isso, vão antecipando as medidas investigativas; assim os bandidos terão tempo para mudarem seus arsenais para outro local a cidade com bastante antecedência. Parabéns Ministro, parabéns imprensa.

  8. Será que isso não acarreta perda de tempo e de foco? Certamente acarretará gritaria, porque é muito violento botar soldados entrando simultaneamente em residências. Sei, não, parece que o que menos essa gente quer é pegar bandido. Continuo achando que houve um amplo acordo com a bandidada. Acordo que vai durar até o general descobrir. Talvez foi Angorá a cuidar de eventual acordo.

  9. Mandado de Busca e Apreensão coletivo? O Jungman está delirando. A baderna está instalada. Os políticos estão improvisando e não tem a menor ideia do que fazer. Em estado de exceção não tem medida jurídica nenhuma, é matar ou morrer, é invadir a casa ou dançar!

    1. O problema é que os militares estão impedidos. Até o momento, eles só podem invadir, qualquer casa, se tiverem mandado para ela. Ou seja, se quiserem invadir 10 casas em uma rua, precisam de 10 mandados.
      A medida não é ideal, mas é melhor do que está.

  10. Senhor ministro não sonha, o senhor só conseguirá isto com um juiz que foi assaltado, mas tem os malditos defensores públicos pagos com o nosso dinheiro para estragar tudo, senhor presidente decrete estado de sítio ou nada feito.

  11. É uma ntervenção midiática, tida como mais uma “pacificação” -> goo.gl/Empkut

    Até porque tem locais que precisam mais que o RJ. Quem estiver usando demagogicamente esse decreto, que tem data de validade, validado só agora, em ano eleitoral, sem ter histórico de comprometimento com a segurança, será trucidado pelo Jair Bolsonaro, ou até mesmo pelas ponderações de um general, como o Augusto Heleno:

    goo.gl/SoX8uG
    goo.gl/savmyj
    goo.gl/ewbwV
    goo.gl/psj8PP

    JB interviria nos estados com crises na segurança, indo além: junto com um congresso renovado, com PT, PSDB, E PMDB minguando, os policiais teriam armamentos (e o cidadão, com o desarmamento revogado) mais eficientes/modernos/potentes; bons salários, equipamentos e viaturas à disposição, e RETAGUARDAS JURÍDICAS, em TODO O BRASIL.

  12. Confirma entao q nao tinha nem um plano,nunca teve,ta sendo tudo decidido nas coxas,no desespero para melhorar a aprovacao do vampiro para garantir pra ele o foro nas proximas eleicoes.E os milicos se prestam para essa farsa.Republica Bananeira.