Juras de político

Quando Rodrigo Maia se lançou candidato ao mandato-tampão de presidente da Câmara — após a queda de Eduardo Cunha, em julho do ano passado –, já se falava da possibilidade de o vencedor tentar garantir, na Justiça, uma eventual recondução ao cargo.

Ocorro que deputados — que inclusive votaram no democrata — contam que Maia, ao pedir votos naquela época, “jurava” não desejar mais do que os seis meses restantes do mandato de Cunha.

É isso que tem irritado, principalmente, parte do Centrão.