Justiça abre ação contra diretores da FGV

Justiça abre ação contra diretores da FGV
Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

O juiz Eric Scapim Cunha Brandão acolheu pedido do Ministério Público e abriu ação civil pública contra o presidente da Fundação Getúlio Vargas, Carlos Ivan Simonsen Leal, e mais cinco dirigentes acusados de desviar recursos da entidade em benefício próprio.

Eles foram acusados de direcionar pagamentos milionários do governo do Rio de Janeiro para empresas e escritórios de advocacia próprios com base num contrato firmado em 2006 para avaliação do Banco do Estado do Rio de Janeiro (Berj), vendido em 2011 para o Bradesco.

Apontando gestão “irregular e ruinosa”, o MP-RJ pede a destituição de todos dos atuais cargos e a nomeação de um interventor pela Justiça e depois a eleição de novos dirigentes.

“Nada sugere a alteração de posturas na condução da entidade, tampouco a mudança do padrão de comportamento, segundo o qual seus subordinados atuam em abuso da personalidade jurídica da FGV, em desvio de finalidade, de forma a exercerem sistematicamente influência junto a agentes políticos para a captação de recursos públicos”, diz a ação.

Carlos Ivan Simonsen Leal, o vice, Sérgio Franklin Quintella, e os diretores Sidnei Gonzalez dos Santos, César Cunha Campos, Ricardo Pereira Simonsen e Ocário Silva Defaveri terão 10 dias para apresentar a primeira resposta à acusação.

Leia mais: EXCLUSIVO: em vídeo, Marcelo Odebrecht explica o esforço da companhia para contar com os préstimos do “amigo do amigo de meu pai” -- como Toffoli era conhecido na empreiteira
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 5 comentários
TOPO