Justiça condena Twitter a excluir postagem do Intercept que orientava ataques a Doria

O juiz Fernando José Cúnico, de São Paulo, condenou Twitter e GoDaddy a excluírem de suas plataformas conteúdo publicado pelo site The Intercept.

A decisão confirmou liminar deferida anteriormente, determinando a remoção dos links e o fornecimento de dados capazes de identificar os responsáveis pelos posts.

Em maio de 2017, o site de Glenn Greenwald postou uma espécie de “manual do guerrilheiro digital”, com orientações sobre a criação de perfis fakes para promover ataques na internet.

Na chamada para a matéria, o site escreveu: “Veja qual o modo seguro para criticar João Doria na internet”. Embora o post tenha sido removido, a matéria original ainda está disponível.

Ela é assinada pelo engenheiro de TI Micah Lee, da equipe do Intercept nos EUA, e tem o seguinte título: “Como criar uma conta anônima no Twitter para driblar autoridades.”

No texto, Lee sugere formas de burlar os controles da rede social, como aquele que exige o cadastro do celular do usuário.

“Para prosseguir, precisei descobrir uma forma de obter um número de telefone que não esteja associado à minha identidade real. Há outras formas de fazer isso, mas optei por um método conceitualmente simples: comprar um telefone descartável, usá-lo para verificar minha nova conta no Twitter e descartá-lo.”

Isso é jornalismo?

Comentários

  • Lourival -

    Será que não está na hora banir de uma vez por todas esse site Intercept? Por muito menos Toffeli censurou a revista Crusoé, totalmente correta nas informações. Ou alguém se esqueceu que Toffel

  • Claudia -

    Como ele mencionou no post, "verdades",não como Pavão Misterioso. Não estamos longe de sermos proibidos de dizer verdades aqui. Vcs sobreviverão, porque estão do lado deles, mesmo sabendo dos e

  • iuri -

    muito bem feito. porem, fosse com vocês estariam bradando que isso é censura. hipócritas.

Ler 112 comentários