Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

Lava Jato denuncia advogados por falso esquema de proteção a doleiro

Lava Jato denuncia advogados por falso esquema de proteção a doleiro
Foto: Reprodução, Fantástico/TV Globo

A força-tarefa da Lava Jato do Rio denunciou os advogados Antônio Augusto Lopes Figueiredo Basto, Luis Gustavo Flores e o empresário Enrico Machado por exploração de prestígio qualificada, tráfico de influência qualificado e associação criminosa.

Segundo a denúncia, eles “venderam por quase sete anos à organização criminosa liderada pelo doleiro Dario Messer um falso esquema de proteção”.

Diz o MPF:

Antônio Figueiredo Basto e Luis Gustavo Flores receberam a título de ‘taxa de proteção’, entre setembro de 2006 e março de 2013, US$ 50 mil mensais da organização criminosa de Dario. Tal taxa era cobrada a pretexto de impedir investigações do MPF e da Polícia Federal, alegando-se que os valores seriam destinados a agentes públicos. O dinheiro, no entanto, permanecia com os denunciados, sendo remetido ilegalmente a uma conta na Suíça, em nome da empresa Big Pluto Universal – empresa offshore de fachada controlada por Antônio Figueiredo Basto e Luis Gustavo Flores. No total, foram recebidos US$ 3,9 milhões (US$ 50 mil mensais, por 78 meses).”

Segundo os procuradores, Messer disse em delação que “realmente acreditava” que os valores eram repassados, ao menos em parte, a Januário Paludo, procurador regional da República.

A acusação contra o procurador foi arquivada pela PGR, que não encontrou “indícios mínimos” do envolvimento de Paludo, que sequer atuava na esfera criminal na época dos fatos.

O MPF diz ainda que Figueiredo Basto e Luis Gustavo também venderam, por US$ 400 mil, suposta proteção ao doleiro Marco Antonio Cursini em uma CPI. “Também foi alegado que o dinheiro se destinaria a dois agentes públicos, porém, novamente o dinheiro permaneceu na conta suíça da empresa offshore dos denunciados”, conclui a força-tarefa.

 

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO