Lava Jato diz que PGR não pode fazer 'varreduras' nas forças-tarefa

A força-tarefa da Lava Jato no Paraná enviou nova manifestação ao STF pedindo a rejeição do pedido da Procuradoria-Geral da República para obter informações sigilosas das investigações.

No documento, os procuradores dizem que a PGR não pode fazer varreduras nas bases de dados em busca de supostas investigações de políticos e autoridades com foro privilegiado.

Um dos motivos alegados por Augusto Aras para pegar as informações é a acusação de que o MPF no Paraná investigou Davi Alcolumbre e Rodrigo Maia de forma clandestina.

A força-tarefa negou novamente — disse que eles tiveram nomes citados numa denúncia por lavagem de dinheiro apresentada contra Walter Faria como exemplos de caixa 3, doações que a cervejaria Petrópolis fez para diversos políticos a pedido da Odebrecht.

Os procuradores argumentaram que, mesmo que houvesse uma investigação sobre políticos com foro privilegiado, o certo seria a PGR pedir a avocação desse inquérito para o STF, anulando medidas tomadas para coleta de provas.

Mas essa suspeita infundada nunca poderia servir para obter toda a base de dados da operação, sobretudo em outros estados — a PGR também quer informações da Lava Jato em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Não cabe à PGR realizar varreduras periódicas nos bancos de dados do MPF – da força-tarefa ou de qualquer outra unidade – a fim de aferir se a competência do STF está ou não sendo violada pela atividade-fim de procuradores da República”, afirmaram.

Leia mais: HEBE CAMARGO E A ODEBRECHT, por MARIO SABINO
Mais lidas
  1. Bolsonaro: leite condensado é para 'enfiar no rabo' da imprensa

  2. Médica de Rondônia ri de intubação de pacientes

  3. Urgente: MP aponta desvio de vacinas em Manaus e pede prisão do prefeito; desembargador declina

  4. Neymar pai no 'churrasco de leite condensado'

  5. Emendas extras liberadas pelo governo beneficiam aliados de Bolsonaro

Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 14 comentários
TOPO