Lava Jato do Rio busca “amigo” que recebeu 3,5 milhões

A Lava Jato do Rio tenta descobrir quem era o “amigo” nas planilhas da Transexpert, transportadora de valores usada pelo doleiro Álvaro Novis para entregar propina a políticos vinculados ao esquema de Sergio Cabral.

O codinome, o mesmo que a Odebrecht atribuiu a Lula, está associado à entrega de R$ 3,5 milhões em propina, entre os meses de fevereiro e março de 2016.

O Antagonista+: você com acesso à plataforma mais amigável do jornalismo brasileiro — E SEM ANÚNCIOS (SEM BANNERS). Mais aqui

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

  1. AADONIS SINICIO JUNIOR disse:

    Amigo é coisa pra se guardar debaixo de sete chaves.

Ler comentários
  1. Marcelo disse:

    Em certos crimes, a curva do roubo aumentou depois do início da Lava-Jato. O Macunaíma sempre acha que tudo de ruim só acontece com os outros, nunca com ele.

  2. Martins disse:

    Esse é o Brasil que a câmara e o senado querem de volta. O Brasil da propina, da corrupção, do conchavo e acertos. Mas com Bolsonaro essa página negra da nossa política acabou.