Lava Jato mantém decreto de prisão de operador foragido em Israel

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região manteve válido o decreto de prisão de David Arazi, que mora em Israel e é suspeito de intermediar pagamento de propina para Renato Duque.

Segundo as investigações, ele manteve R$ 6,6 milhões para o ex-diretor da Petrobras na Suíça, dinheiro com origem em propina para ampliação da sede da estatal em Salvador.

Arazi teve prisão decretada em novembro e a defesa diz que ele não está em fuga, mas cuidando da mãe fora do país.

Moro na linha de tiro: o ex-juiz que virou ministro vai suportar o jogo pesado de Brasília? LEIA AQUI

Temas relacionados:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

  1. GILMAR disse:

    QXTpIGHtIG5lc3NlIHRyaWJ1bmFsLCBhIGNvaXNhIGZ1bmNpb25hLCBzZSBlc3NlIHJlY3Vyc28gc3ViaXIgZGUgaW5zdOJuY2lhIGVsZSBzZXLhIHJldm9nYWRvLCBSZW5hbiBDYWxoZWlyb3MgY2hhbW91IG9zIGp1aXplcyBkZSBwcmltZWlybyBncmF1IGRlIGp1aXplY29zLCBlIG5pbmd16W0gZmV6IG5hZGEuLg==

Ler comentários