“Lava Toga” em Portugal

A PGR portuguesa e o Conselho Superior de Magistratura abriram investigações contra o juiz desembargador Rui Rangel, responsável pela Operação Rota do Atlântico, a “Lava Jato lusitana”.

No sábado, o Correio da Manhã denunciou Rangel por suborno. Ele teria recebido propina do empresário José Veiga, diretor da Asperbras no Congo.

A Asperbras é de Beto Colnaghi, o amigo de Araçatuba de Antonio Palocci.

Faça o primeiro comentário