Nota de Lavareda

O advogado do sociólogo Antônio Lavareda enviou uma nota a O Antagonista sobre o post “Mais um divórcio”:

“Com referência à portaria sobre representação criminal e notícias acerca de procedimentos judiciais envolvendo fatos e sócios do Banco Gerador, tem-se a esclarecer o seguinte:

1. Existe uma completa inversão dos fatos nas notícias e procedimentos divulgados na imprensa e redes sociais, no caso do Banco Gerador, pois ele sempre foi gerido pelo executivo Paulo Dallanora e levado a uma situação de notória insolvência, com grandes prejuízos, especialmente ao acionista Antônio Lavareda, que jamais participou da gestão do banco.

2. Portanto, diante das recentes desarrazoadas agressões e procedimentos injustificados, carentes de qualquer subsídio fático e jurídico, estaremos em breve ajuizando, dentre outras, ação judicial onde será demonstrado que Antônio Lavareda, além de ser o maior prejudicado, está sendo vítima de acusações injuriosas.

3. Ressalte, por fim, que o conteúdo vazado nas redes sociais não atesta a existência de qualquer ação penal instaurada em seu desfavor, muito menos condenação judicial, mas tão somente procedimentos de cunho particular, refletindo a iniciativa insidiosa dos autores.

Fernando Friedheim
OAB/PE
Advogado”

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;

Ler 10 comentários
  1. O Antagonista, por preguiça em investigar, parece ter virado replicador de fofocas. O Antagonista, ao não exercer o ofício do jornalismo, usa ” achismos “, nada na maré da imbecilidade que povoa mentes doentes ou alugadas nas redes sociais e mesmo na imprensa, esquecendo-se que as pessoas querem saber da verdade, apenas isso. Vivemos tempos estranhos. Homens públicos que praticam aleivosias, roubam, traficam influência, carregam dinheiro em malas, cuecas, vendem suas almas se esquecendo que mais cedo ou mais tarde a casa cairá. Enquanto isso, a Justiça ao se fazer tardia, é injustiça manifesta, ministros do Supremo batem boca como se estivessem em botequins, criminosos condenados querem prender o Juiz, e a lambança é tão grande que propicia o surgimento de um Messias ( sem a intenção do trocadilho infame, gente ) ou mesmo de personagens saídos de histórias de quadrinhos. O vazio pariu Collor e Dilma. O que mais falta acontecer na política de Banânia? Fico imaginando o que essa turma de moral seletiva faria se o Ciro e Bolsonaro perguntassem, como o Lula, ” onde estão as mulheres de relo duro do nosso Partido ? ” Tomara que Deus não mude de nacionalidade.

    1. Não é uma questão de ser corajoso, ou o Lavareda ser um babaca, como vc fala. É que nessa triste quadra da nossa história, jornalismo tem lado, e às vezes, por ignorância ou má fé, quiçá as duas coisas juntas, jornalismo e jornalistas assumem lados do mesmo balcão. E a notícia, esse jornalismo de meia pataca só publica, salvo raras exceções, e elas felizmente existem, o que seja em favor dos projetos pessoais de quem lhes paga o fausto. Sei que é cansativo, mas não se pode ser leniente com a desinformação ou informação que se preste a esconder fatos. Temer errou? Que pague! Lula errou? Que pague! Ninguém pode estar acima da Lei, mas no Brasil se criou ao longo dos séculos castas de intocáveis. Nos moldes que estão postos, foro privilegiado é autoexplicativo.

    2. Concordo com (quase) tudo que escrevesse! O que colocou teu texto sob o manto da parcialidade é a crítica, ainda que velada, à Jair Bolsonaro. O homem está se oferecendo como candidato (ainda não declarado, é óbvio) como qualquer outro e não se apresenta como o “messias”, mas como representante de todos os que são contra tudo o que se passa no país, inclusive as mazelas que você citou no texto. Pode não ser um bom presidente? É óbvio que pode não ser! Mas, pela dúvida, vamos votar em quem temos certeza que não será? Abraço.

    3. Não, não é um caso de parcialidade velada ou explícita em favor de ninguém. Apenas não acredito em salvadores da pátria, essa coisa genérica de dizer que está tudo errado, que todos são bandidos, não é isso. Salvo que o eleitor tome tento e promova uma radical oxigenação no Congresso, Bolsonaro ou qualquer outro eleito terá que lidar com duas casas de tolerância. Collor e Dilma viraram as costas para o Congresso e deu no que deu. Independente de erros pessoais, dos quais todos somos passíveis, não se governa um país deste tamanho, tão desigual e tão carente de exemplos, aboletado apenas no Planalto. É preciso mudar muita coisa, e para o mal ou para o bem, mudanças passam pelo Congresso. Mesmo com suas imperfeições, nenhum regime é melhor que a democracia. Qualquer dos nomes postos como postulantes ao Planalto deverá negociar mudanças com o Congresso, que não renovado drasticamente, o presidente terá que tratar com detentores de feudos, vícios antigos e novos.

    4. Em que acredita? Por favor nada de coelhinhos da páscoa.
      Só tivemos somente salvadores da pátria, generais e os super corruptos.
      Banânia é montada para pegar o seu dinheiro e nada fazer.
      Políticos e o alto funcionalismo montaram oligarquias com nomeações cruzadas( parentes espalhados nas instituições) você paga, mas também não acredita em salvadores da pátria.
      Políticos dão-se cargos de gerência, de diretoria na união.
      Criam -se cargos, cartões paga pagar essas contas, criam planos de saúde, de auxilio financeiros(paletó, educação, carro oficial aluguel, casas de luxo) você paga, mas ainda bem, não acredita em salvador da pátria.
      Cita homens públicos que confabulam e lugares nada públicos, xinga um site de notas, que nasceu assim e continua assim, “imbecilidade” por quê?
      são notas
      Todas as pessoas tem lado e interesses não?o meu da lei e justiça
      Óbvio que não essa que esta aí, qual o seu lado?
      Ciro é do lado que convém, tem curral eleitoral citá-lo é incapacitante
      Com o “Anta” tem algo que não concordei (caso janot) mas o site me parece uma metralhadora giratória.
      fala como se a culpa é do jornalismo.
      não é.
      É minha
      É sua
      É desse povinho que se vende por bolacha e cargo

    1. Com certeza! Não adianta falar abobrinhas, a Intervenção Militar é a única saída para nós brasileiros, o resto é conversa de “buteco”, em noite de tempestade. Aliás, já dá para começar a julgar: quem mostra medo de que os botões dourados assumam é porque tem contas a pagar com a Justiça JUSTA!!!

  2. Esses rábulas… São iguais em todo o Brasil! Quanto mais fim-sim, mais mentiras recheadas de juridiquês para mascarar a verdade. Né, Kakay? Né, Nelio Machado? Né, Mariz? Né, Zanin, Né, Bonifácio?