ACESSE

Leandro Narloch: O ativista humanizador e o demonizador

Telegram

Em sua coluna na nova edição da Crusoé, Leandro Narloch comenta o episódio que resultou na sua demissão da CNN Brasil e analisa as diferenças entre o ativismo de hoje e o do passado.

“Martin Luther King Jr., um ativista do passado, humanizava seus oponentes. Queria transformar adversários em aliados. Advertia que não se deve ‘suspeitar de todas as pessoas brancas, pois muitos de nossos irmãos’ entendem que ‘seu destino está vinculado ao nosso destino’.

Já o ativista do Black Lives Matter demoniza. Passa o dia com pedras na mão, pronto para atirá-las no primeiro que dê o menor sinal de pecado. Trata como um demônio quem não se comporta como um santo politicamente correto. Tenta culpar o homem branco hétero por todos os problemas do mundo.”

Clique AQUI para ler a íntegra da coluna.

 

Leia mais: 'Em vez de derrubar Bolsonaro, Gilmar Mendes vai domá-lo e cavalgá-lo até 2022'

Comentários

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 5 comentários